Mundo

Relatório da França conclui que Assad usou armas químicas contra civis

O relatório afirma que os serviços de inteligência concluíram com "alto grau de confiança" que o governo do presidente Bashar al-Assad usou armas químicas

Douma: relatório afirma que dados de inteligência "confiáveis" mostram que oficiais sírios coordenaram o ataque usando cloro (Bassam Khabieh/Reuters/Reuters)

Douma: relatório afirma que dados de inteligência "confiáveis" mostram que oficiais sírios coordenaram o ataque usando cloro (Bassam Khabieh/Reuters/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 14 de abril de 2018 às 17h39.

Paris - O governo francês publicou um dossiê neste sábado, fornecendo o que descreveu como evidência de que o regime de Bashar al-Assad estava por trás de um ataque químico contra civis na Síria na semana passada, em um esforço para reforçar a justificativa da França para a realização de ataques aéreos contra a Síria.

O relatório de sete páginas divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores disse que os serviços de inteligência franceses concluíram com "alto grau de confiança" que o governo do presidente Bashar al-Assad usou armas químicas em um ataque à cidade de Douma em 7 de abril.

As conclusões do relatório foram extraídas de depoimentos de testemunhas e fotos coletadas pela inteligência francesa, bem como de vídeos e fotos postados na internet que analistas de inteligência consideravam autênticos. O relatório reconheceu que a França não conseguiu obter amostras químicas para análise em seus próprios laboratórios.

Ainda assim, a França possui um "corpo de evidências", segundo o relatório, que mostra "além de qualquer dúvida, um ataque químico contra civis em Douma em 7 de abril de 2018; e que não há cenário plausível além daquele de um ataque das forças armadas sírias como parte de uma ofensiva mais ampla no enclave de Ghouta Oriental".

O presidente da França, Emmanuel Macron, tem sofrido pressão para sustentar a sua alegação no início desta semana de que a França tem "provas" de que o regime de Assad teve um papel no ataque.

Analistas dizem que a decisão da França de se unir aos ataques aéreos com os EUA e o Reino Unido rompe com a insistência do país de que uma ação militar só deve ser tomada quando apoiada pelo Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) ou outros organismos multilaterais como a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Thomas Gomart, analista do Instituto Francês de Relações Internacionais, disse que os ataques eram "definidores" para Macron, porque agir sem um mandato da ONU "invalidará parte dessa conversa sobre a defesa do multilateralismo".

O relatório afirma que dados de inteligência "confiáveis" mostram que oficiais militares sírios coordenaram o ataque em Douma, usando cloro. O governo disse que as acusações foram apoiadas por um padrão de ataques anteriores que a França atribui ao regime de Assad. Fonte: Dow Jones Newswires.

Acompanhe tudo sobre:Armas químicasBashar al-AssadFrançaReino UnidoSíria

Mais de Mundo

Participantes do comício de Trump avistaram atirador quase 2 minutos antes dos disparos

Ônibus cai em penhasco e deixa ao menos 21 mortos no Peru

Netanyahu promete aumentar pressão sobre o Hamas após bombardeios contra norte, sul e centro de Gaza

Em ligação com Kennedy Jr., Trump diz que tiro em atentado foi como 'maior mosquito do mundo'; vídeo

Mais na Exame