• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Promotor morto na Colômbia pode ter sido seguido desde o Paraguai

Marcelo Pecci, assassinado durante sua lua de mel, cuidava de casos importantes contra membros do crime organizado envolvidos em lavagem de dinheiro e narcotráfico
O promotor antidrogas paraguaio Marcelo Pecci fala à imprensa em Assunção, em 10 de março de 2020 (AFP/Norberto Duarte)
O promotor antidrogas paraguaio Marcelo Pecci fala à imprensa em Assunção, em 10 de março de 2020 (AFP/Norberto Duarte)
Por AFPPublicado em 12/05/2022 07:57 | Última atualização em 12/05/2022 08:47Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Autoridades do Paraguai investigam se o promotor antidrogas Marcelo Pecci, morto ontem em uma praia do Caribe colombiano, foi seguido desde Assunção por seus assassinos, disse à AFP o comandante em chefe da Polícia Nacional, Gilberto Fleitas.

"É uma possibilidade. Não podemos descartar nada. Estamos investigando detalhadamente, com a colaboração da Polícia Colombiana e do FBI", disse o responsável paraguaio pela segurança.

Fleitas lembrou que o procurador Pecci, assassinado na ilha colombiana de Barú durante sua lua de mel, "cuidava de casos muito importantes contra membros do crime organizado envolvidos em lavagem de dinheiro e no narcotráfico".

O Ministro do Interior, Federico González, acrescentou que as forças de segurança nacionais “trabalham em coordenação com a Interpol, a DEA, o FBI e a Polícia Colombiana para avançar na identificação e captura dos responsáveis”.

Questionado sobre a possibilidade de Pecci ter sido seguido desde o Paraguai, González disse que "nenhuma linha de investigação pode ser descartada. Tudo está sendo analisado". Ele ressaltou que confia nos resultados da investigação conjunta com seus pares colombianos e americanos.

Para esta sexta-feira foi anunciada uma manifestação de protesto contra o assassinato de Pecci, 45. A chamada "Marcha da Coragem" partirá da sede do Ministério Público até o Panteão dos Heróis, no raio central da capital paraguaia.