Primeiro casal do mesmo sexo se casa na Suíça

O matrimônio igualitário foi aprovado em um referendo, celebrado a menos de um ano
Casamento LGBT: Laure (à esq.) e Aline se beijam após a cerimônia em Genebra, na Suíça (AFP/AFP Photo)
Casamento LGBT: Laure (à esq.) e Aline se beijam após a cerimônia em Genebra, na Suíça (AFP/AFP Photo)
A
AFP

Publicado em 01/07/2022 às 14:21.

Última atualização em 01/07/2022 às 14:26.

A Suíça celebrou nesta sexta-feira, 1º, o primeiro casamento entre pessoas do mesmo sexo. O matrimônio igualitário foi aprovado em um referendo, celebrado a menos de um ano.

O país alpino alinhou-se com a maioria dos Estados da Europa Ocidental, por um caminho aberto pela Holanda em 2001.

Aline e Laure, de 46 e 45 anos, foram um dos primeiros casais a dizer "aceito" diante de seus familiares e amigos.

LEIA TAMBÉM: Conheça a trajetória de líderes que espelham e estimulam a diversidade

"Tenho o prazer de anunciar que estão oficialmente casadas", disse a prefeita de Genebra, Maria Barbey-Chappuis, que liderou a cerimônia pessoalmente.

"Já era tempo do casamento ser perfeitamente igualitário na Suíça", acrescentou a prefeita na declaração feita à AFP.

No referendo realizado em setembro, os suíços deram um enfático "sim" a favor do casamento entre pessoas mesmo sexo. Foi infligida uma derrota esmagadora a seus oponentes, que classificavam a união como uma ameaça para o bem-estar das crianças.

O sim recebeu 64,1% dos votos e prevaleceu em todos os cantões do país, inclusive nos mais conservadores.

A Suíça descriminou a homossexualidade até 1942.

Antes de sexta-feira, os casais do mesmo sexo só eram permitidos a registrar uma união civil. No entanto, esse status não inclui os mesmos direitos do casamento, como a cidadania e adoção conjunta de crianças.

Os casais do mesmo sexo agora podem casar-se em cerimônias civis e desfrutar dos mesmos direitos que outros casais casados.

(AFP)

LEIA TAMBÉM: Por que alguns países usam o Estado para reforçar a homofobia