Mundo

Prédio desaba na Índia e deixa 4 mortos e 40 soterrados

Este foi o segundo desabamento em Mumbai em menos de dez dias

Índia: cerca de 15 famílias moravam no prédio que desabou nesta terça (16) (Stringer/Reuters)

Índia: cerca de 15 famílias moravam no prédio que desabou nesta terça (16) (Stringer/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 16 de julho de 2019 às 10h05.

Última atualização em 16 de julho de 2019 às 11h00.

Mumbai - Um edifício de quatro andares desmoronou em Mumbai, capital financeira da Índia, nesta terça-feira, soterrando quase 40 pessoas, e há ao menos quatro mortes confirmadas, disse uma autoridade do corpo de bombeiros.

Foi o segundo desabamento do tipo na área de Mumbai em menos de dez dias.

Chuvas torrenciais que atingem a cidade durante a temporada de monção muitas vezes desestabilizam estruturas antigas ou mal construídas, o que já causou diversos desmoronamentos ao longo dos anos.

"Não sabemos exatamente quantos, mas pelos dados fornecidos pelos vizinhos estimamos que mais de 30 podem estar soterrados", disse a autoridade, acrescentando que as operações de resgate estão sendo dificultadas pelas ruas estreitas da área.

Uma testemunha da Reuters no local disse que os moradores estão ajudando os esforços de resgate e que os feridos estão sendo carregados manualmente até ambulâncias próximas que não conseguiram chegar ao local do desastre.

Devendra Fadnavis, ministro-chefe do Estado de Maharashtra, no oeste indiano, disse que, com base em informações iniciais, cerca de 15 famílias moravam no prédio, que ele disse ter 100 anos.

Ele afirmou que o foco está nos esforços de resgate, mas que o governo iniciará uma investigação. A polícia disse que ao menos sete feridos foram hospitalizados.

Acompanhe tudo sobre:DesabamentosÍndiaMortes

Mais de Mundo

Primeira viagem de Milei à Espanha como presidente não terá honras militares e coletiva de imprensa

Suprema Corte dos EUA confirma proibição de posse de armas a agressores domésticos

Tribunal impõe penas de prisão à família mais rica do Reino Unido por exploração de funcionários

Dez prefeitos da oposição na Venezuela são inabilitados por 15 anos após apoio a Edmundo González

Mais na Exame