Petrobras envia ajuda à BP para limpar Golfo do México

Vazamento de óleo após explosão de plataforma de petróleo em 20 de abril já atingiu a costa americana

Mancha de óleo já atingiu a costa de Louisiana, nos Estados Unidos (.)

Mancha de óleo já atingiu a costa de Louisiana, nos Estados Unidos (.)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h37.

Rio de Janeiro - A Petrobras vai ajudar a BP na contenção ao vazamento de óleo ocorrido na semana passada na parte norte-aemricana do Golfo do México, segundo informou nesta quarta-feira o diretor de Exploração e Produção da Petrobras, Guilherme Estrella

Ele disse que uma equipe da estatal já está nos Estados Unidos e que um outro grupo estaria seguindo para o Golfo do México para trabalhar na contenção do óleo.

Estrella destacou que homens da Força Aérea Brasileira estão à disposição das autoridades norte-americanas e da petroleira britânica BP.

"O setor petrolífero mundial está dando apoio geral e irrestrito da BP para o combate a situação lá. É uma questão de solidariedade e responsabilidade planetária", declarou Estrella a jornalistas após evento da Associação Comercial do Rio de Janeiro.

"A equipe conta com cerca de vinte pessoas incluindo especialistas em segurança e meio ambiente, tem gente da Marinha, Força Aérea, do Ministério do Meio Ambiente e gente nossa", acrescentou o executivo.

Estrella afirmou que a estatal aguarda um posicionamento formal do governo norte-americano sobre a exploração de petróleo em alto mar nos EUA, para então analisar a situação da Petrobras no Golfo do México

A empresa detêm dois campos na região, Cascade e Chinook, que devem iniciar a produção de óleo este ano. "A programação já estava adiantada para o início da produção lá", afirmou o diretor.

Na terça-feira, o presidente da estatal, José Sérgio Gabrielli, disse que apesar do acidente da BP o cronograma da operação da empresa está garantido e a plataforma Cascade-Chinook deve começar a operar na segunda metade de 2010.

O executivo frisou ainda que Gabrielli é favorável à criação de um monitoramento e de uma atuação global contra acidentes e vazamentos que reuniria todas as empresas de petroléo do mundo.
 

Mais de Mundo

Ordem judicial retira da oposição venezuelana o controle de um de seus maiores partidos

Equador captura líder criminoso foragido que ameaçou procuradora-geral

Polônia indica que poderia abrigar armas nucleares de outros membros da Otan para conter Rússia

Após prisões em Columbia, protestos contra a guerra em Gaza se espalham por universidades dos EUA

Mais na Exame