Mundo

Ondas de calor irão durar mais e serão mais intensas, adverte especialista da ONU

Cientista afirma que certas regiões podem enfrentar fenômenos climáticos permanentes

Mudanças climáticas: especialistas temem aumento na frequência e intensidade dos eventos climáticos extremos (Iñaki Berasaluce/Getty Images)

Mudanças climáticas: especialistas temem aumento na frequência e intensidade dos eventos climáticos extremos (Iñaki Berasaluce/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 23 de agosto de 2023 às 19h32.

As ondas de calor, como a que atualmente sufoca a Europa e outras regiões do planeta, aumentam sua intensidade e sua duração e em certas regiões poderiam se converter em um fenômeno permanente devido à mudança climática, alertou um especialista da ONU.

A "cúpula de calor" - um fenômeno que, pela estagnação das massas de ar, esquenta a atmosfera - que cobre grande parte da Europa, os incêndios florestais provocados pelo calor que destroem a Grécia, Espanha, Portugal, Canadá e Havaí, ou as altíssimas temperaturas em pleno inverno sul-americano tomaram as manchetes das última semanas.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo em primeira mão. Inscreva-se no Telegram da Exame

"As ondas de calor se tornarão cada vez mais intensas e frequentes", declarou à AFP John Nairn, especialista em calor extremo da Organização Meteorológica Mundial (OMM), com sede em Genebra.

"É a consequência do aquecimento global que vemos aparecer muito rapidamente nos sistemas meteorológicos", acrescentou, destacando que os cientistas avisaram sobre isso.

"As pessoas estão muito relaxadas diante dos sinais", lamentou. "A ciência advertiu que chegaria a esse ponto. E não para por aqui. Será mais intenso e mais frequente".

Calor imóvel

John Nairn recomenda que concentremos nossa atenção no aumento incessante das temperaturas mínimas noturnas, e não nos recordes de calor diurno, que ocupam as manchetes.

Temperaturas noturnas elevadas e repetidas são especialmente perigosas para a saúde humana porque o corpo é incapaz de se recuperar do calor que sofre durante o dia. Mínimas noturnas mais elevadas significam também que a energia acumulada durante o dia não tem nenhum local para onde possa ser evacuada, aumentando ainda mais as temperaturas do dia seguinte.

Chegamos assim a "períodos mais longos de temperaturas elevadas", comentou o cientista, assegurando que a situação ameaça piorar.

O especialista se preocupa sobretudo com a situação em regiões como a América do Sul, que alcançou recordes de calor nas últimas semanas, com temperaturas de até 40ºC em seu suposto inverno.

Temos que tornar tudo elétrico

No futuro, "veremos mais ondas de calor em um período do ano muito mais longo".

Nas regiões tropicais e subtropicais, "infelizmente, tudo indica que ondas de calor graves e extremas ameaçam ocorrer a qualquer momento (do ano) antes do final do século".

Quando foi perguntado o que podemos fazer, John Nairn, avaliou que "temos toda a capacidade de inverter a tendência".

"Temos que tornar tudo elétrico (...) e parar com a queima de combustíveis fósseis. Não é mais difícil que isso", resumiu.

Acompanhe tudo sobre:CalorMudanças climáticasAquecimento global

Mais de Mundo

Candidato opositor venezuelano lamenta decisão do TSE de suspender missão à Venezuela

Diretor do FBI questiona se Trump foi atingido por bala ou estilhaço

Eleições nos EUA: Trump está à frente de Kamala em 4 estados decisivos, diz pesquisa

Nuvens de fumaça tomam conta de ruas em Londres após incêndio próximo à Catedral de São Paulo

Mais na Exame