Mundo

Obama faz conferência após tentativa de golpe na Turquia

O presidente conversou com autoridades da segurança nacional e de política externa, afirmou a Casa Branca em um comunicado.


	Barack Obama: ele "reiterou o apoio incondicional dos Estados Unidos ao governo civil democraticamente eleito da Turquia", diz Casa Branca
 (Carlos Barria / Reuters)

Barack Obama: ele "reiterou o apoio incondicional dos Estados Unidos ao governo civil democraticamente eleito da Turquia", diz Casa Branca (Carlos Barria / Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 16 de julho de 2016 às 16h57.

Washington - A Casa Branca preparou rapidamente uma conferência telefônica para discutir a tentativa fracassada de golpe na Turquia e suas ramificações, que têm o potencial de criar implicações para os esforços militares dos Estados Unidos contra o grupo extremista Estado Islâmico, bem como a política externa mais ampla de do presidente Barack Obama.

O presidente conversou com autoridades da segurança nacional e de política externa, afirmou a Casa Branca em um comunicado, acrescentando que Obama "reiterou o apoio incondicional dos Estados Unidos ao governo civil democraticamente eleito da Turquia."

"O presidente instruiu sua equipe a continuar trabalhando com os parceiros turcos para manter a defesa e bem-estar das missões diplomáticas e de seus integrantes", afirma a nota. "Embora não haja ainda indicações de norte-americanos mortos, o presidente e lamenta a perda de vidas registradas e salienta a necessidade de todos os partidos da Turquia agirem em conformidade com as leis, evitando ações que possam trazer mais violência e instabilidade."

Obama também teria reiterado a necessidade da "cooperação da Turquia, incluindo nos esforços conjuntos contra o terrorismo."

Além das implicações para os laços com um aliado chave na região, a tentativa de golpe interrompeu as operações na base aérea norte-americana de Incirlik, no sudeste da Turquia. Militares ligados à ala pró-golpe cortaram a energia elétrica da base e o governo turco, citando preocupações com a segurança, fechou o espaço aéreo da região.

A instabilidade na Turquia ameaça a estratégia de combate de Obama contra o Estado Islâmico, que depende pesadamente de ter um parceiro em Ancara. Fonte: Dow Jones Newswires.

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaBarack ObamaEstados Unidos (EUA)EuropaPaíses ricosPersonalidadesPolíticosTurquia

Mais de Mundo

Putin diz que Coreia do Norte 'apoia firmemente' sua operação na Ucrânia

Joe Biden simplifica regularização de ao menos 500 mil migrantes

Quem é Jordan Bardella, o líder da extrema-direita que desafia Macron?

Corrida nuclear: EUA concentram 80% dos gastos, e China tem arsenal 'pronto para uso' pela 1ª vez

Mais na Exame