Acompanhe:

"Nós temos direito de decidir", diz Bachelet sobre aborto

O Chile, ao lado de El Salvador, Nicarágua e Malta são os únicos países do mundo onde a interrupção da gravidez não é permitida em nenhuma circunstância

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Michelle Bachelet: o Chile, ao lado de El Salvador, Nicarágua e Malta são os únicos países do mundo onde a interrupção da gravidez não é permitida em nenhuma circunstância
 (Gary Cameron/Reuters)

Michelle Bachelet: o Chile, ao lado de El Salvador, Nicarágua e Malta são os únicos países do mundo onde a interrupção da gravidez não é permitida em nenhuma circunstância (Gary Cameron/Reuters)

A
AFP/Arquivos

Publicado em 8 de março de 2016 às, 17h51.

Chile - A presidente do Chile, Michelle Bachelet, pediu nesta terça-feira a aprovação de uma lei que descriminaliza o aborto terapêutico em um dos poucos países do mundo onde as mulheres não podem interromper a gravidez em nenhum caso.

"Nós, mulheres, temos o direito de tomar decisões", afirmou Bachelet em seu discurso de comemoração do Dia Internacional da Mulher no palácio presidencial, aplaudida por uma centena de mulheres na plateia.

O Chile, ao lado de El Salvador, Nicarágua e Malta são os únicos países do mundo onde a interrupção da gravidez não é permitida em nenhuma circunstância.

Até 1989, e por mais de 50 anos, o aborto foi permitido no Chile nos casos de risco à vida da mãe ou inviabilidade do feto. Mas antes de deixar o poder, o ex-ditador Augusto Pinochet (1973-1990) proibiu a medida.

Há um ano, após uma lei enviada por Bachelet, o congresso chileno analisa uma lei para permitir o aborto em três casos: inviabilidade do feto, risco de vida para a mãe e em caso de estupro.

O projeto foi criticado pela ultra-direita conservadora e a Igreja Católica, que exerce ampla influência na sociedade chilena.

Na semana passada, as três circunstâncias para permitir o aborto foram aprovadas pela comissão de Constituição da Câmara dos Deputados. A iniciativa, deveria ser votada esta semana para seguir depois sua tramitação no Senado.

"Acredito que conseguimos avançar na sua tramitação na base de um diálogo intenso, mas respeitoso, como pede a imensa maioria da sociedade", disse Bachelet.

De acordo com dados oficiais, mais de 16.500 mulheres ao ano entram em hospitais por gravidezes inferiores a 22 semanas, e onde há risco de vida para a mãe ou o feto e má-formações incompatíveis com a vida.

Últimas Notícias

Ver mais
Justiça Federal suspende norma do CFM que probia procedimento para aborto legal
Brasil

Justiça Federal suspende norma do CFM que probia procedimento para aborto legal

Há 7 horas

Importação de aço chinês bate recorde na América Latina e cresce pressão do setor por tarifas
Economia

Importação de aço chinês bate recorde na América Latina e cresce pressão do setor por tarifas

Há um dia

Governo Milei corta programa argentino para prevenir gravidez na adolescência
Mundo

Governo Milei corta programa argentino para prevenir gravidez na adolescência

Há um dia

Cresce o interesse por sistemas de defesa na América Latina, diz CEO da Indra
Mundo

Cresce o interesse por sistemas de defesa na América Latina, diz CEO da Indra

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais