Mundo

Narges Mohammadi, ativista da luta por direitos da mulher no Irã, ganha o Prêmio Nobel da Paz

Estudante de física foi presa 13 vezes pelas forças iranianas e condenada a uma pena total de 31 anos de prisão e 154 chicotadas

Narges Mohammadi foi presa 13 vezes pelas forças iranianas e condenada cinco vezes a um total de 31 anos de prisão e a 154 chicotadas (Morteza Nikoubazl/Getty Images)

Narges Mohammadi foi presa 13 vezes pelas forças iranianas e condenada cinco vezes a um total de 31 anos de prisão e a 154 chicotadas (Morteza Nikoubazl/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 6 de outubro de 2023 às 06h57.

O Prêmio Nobel da Paz 2023 foi concedido nesta sexta-feira a Narges Mohammadi "pela sua luta contra a opressão das mulheres no Irã e pela sua luta para promover os direitos humanos e a liberdade para todos", disse a presidente do Comitê Norueguês do Nobel, Berit Reiss-Andersen, em Oslo.

Berit Reiss-Andersen destacou que a luta da ativista gerou a ela "enormes custos pessoais". Narges Mohammadi foi presa 13 vezes pelas forças iranianas e condenada cinco vezes a um total de 31 anos de prisão e a 154 chicotadas. Ela permanece sob custódia.

Com a láurea a Narges Mohammadi, o Prêmio Nobel deste ano também "reconhece as centenas de milhares de pessoas que se manifestaram contra as políticas de discriminação e opressão do regime teocrático contra as mulheres", de acordo com o instituto. Em nota, a família da ativista destacou que o prêmio marca "um momento histórico para a luta do Irã pela liberdade".

Quem é Narges Mohammadi?

Mohammadi passou a se engajar na defesa da igualdade e dos direitos das mulheres quando ainda era uma jovem estudante de Física. Ela foi presa pela primeira vez em 2011 e condenada à prisão por tentar ajudar ativistas que estavam encarcerados e seus parentes.

Na ocasião, foi solta após pagar fiança. Na sequência, engajou-se na campanha contra a aplicação da pena de morte. A atuação lhe gerou uma nova condenação à prisão, em 2015.

Narges Mohammadi era uma das mais cotadas para levar o prêmio. Jornalista, é uma das principais vozes em campanha pelos direitos das mulheres no Irã. Atualmente, ela cumpre um longa pena por acusações que incluem divulgar “propaganda contra o Estado”. Mohammadi é também vice-presidente do Centro de Defensores dos Direitos Humanos, presidido pela ganhadora do Nobel da Paz de 2003, Shirin Ebadi.

A decisão do Comitê do Nobel vem depois de um ano de protestos no país liderados por mulheres e desencadeados a partir da morte de Mahsa Amini, um jovem de 22 anos que morreu sob custódia da polícia moral do Irã. Mulheres iranianas saíram às ruas e atearam fogo às vestes islâmicas que cobriam as suas cabeças, aos cantos de "mulheres, vida, liberdade".

Espalhadas pelo país e com bandeiras que iam de mais liberdade à derrubada do regime, as manifestações foram duramente reprimidas pelas forças de Teerã

Acompanhe tudo sobre:NobelPrêmio Nobel

Mais de Mundo

Rússia acusa Otan de 'incitar' Ucrânia a prolongar o conflito

Comunidade LGBTQIA+ enfrenta 'aumento alarmante' nas restrições à liberdade de expressão, diz ONG

Democratas americanos pedem investigação judicial sobre preços fixos na indústria petrolífera

Partido de opositor de Netanyahu propõe dissolução do Parlamento israelense

Mais na Exame