Acompanhe:

Mourão diz que indústria da defesa pode auxiliar na recuperação econômica

Vice-presidente e ministro da Defesa participaram da abertura da 12ª edição da Exposição Latino-Americana de Espaço e Defesa (LAAD), no RJ

Modo escuro

Continua após a publicidade
Hamilton Mourão: vice entrou na mira de ala do governo mais alinhada com o escritor Olavo de Carvalho (Adnilton Farias/Agência Brasil)

Hamilton Mourão: vice entrou na mira de ala do governo mais alinhada com o escritor Olavo de Carvalho (Adnilton Farias/Agência Brasil)

E
EFE

Publicado em 2 de abril de 2019 às, 15h49.

Rio de Janeiro —  O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, espera que o novo ciclo de modernização e renovação dos equipamentos das Forças Armadas Brasileiras promovidas pelo presidente Jair Bolsonaro possam contribuir para a recuperação econômica do país.

Mourão, que ocupa interinamente a presidência enquanto Bolsonaro faz visita oficial a Israel, estava acompanhado do ministro de Defesa, Fernando Azevedo e Silva, durante a cerimônia de abertura da 12ª edição da Exposição Latino-Americana de Espaço e Defesa (LAAD), a maior feira do setor na região, no Rio de Janeiro.

Em discurso para 195 delegações provenientes de 80 países do mundo, incluindo vários ministros de Defesa, os dois destacaram a importância dessa indústria para o Brasil e ressaltaram o fato de ela corresponder a 4% do Produto Interno Bruto (PIB).

Para Mourão, as negociações que serão realizadas ao longo da LAAD, que vai até sexta-feira, são uma "excepcional oportunidade" para a expansão de muitos setores da indústria nacional de defesa.

O vice-presidente também aproveitou o discurso para defender um novo ciclo de modernização das Forças Armadas.

"As nações que querem garantir segurança e soberania enfrentam o desafio de compatibilizar seus orçamentos para obter os meios necessários para conseguir tais objetivos, tanto dentro como fora do país, se quiserem projetar seu poder", afirmou Mourão.

Já Azevedo e Silva destacou que o setor, que movimenta R$ 200 bilhões anualmente, é essencial não só para manter a soberania do país, mas também para incentivar a economia brasileira.

O ministro ainda citou que a indústria de defesa gera cerca de 60 mil empregos diretos e 240 mil indiretos no Brasil.

"Enquanto mais metas ousadas possam ser atingidas pela indústria da defesa, mais o setor pode contribuir para recuperar o crescimento do país", afirmou Azevedo e Silva.

Os dois generais do Exército elencaram os projetos do governo para o setor, citando que o Brasil está comprometido com a construção de cinco submarinos, um deles com propulsão nuclear.

O governo oficializou hoje a construção de cinco corvetas, um projeto que será tocado pelo consórcio integrado pela alemã Thyssenkrupp Marine System e pelas brasileiras Embraer e Atech.

Mourão classificou a assinatura do convênio entre a Marinha e o consórcio "Águas Azuis" como "extremamente relevante" para o país.

Além disso, Azevedo e Silva enumerou projetos desenvolvidos pelo Exército, como os planos para lançar novas gerações do veículo militar Guarani e a implantação de um Sistema de Defesa das Fronteiras com radares, satélites e sensores da última geração.

No setor aéreo, o ministro destacou a associação da Força Aérea com a Embraer para desenvolver o cargueiro militar KC-390 e para construir no Brasil os 12 caças de combate da sueca Saab.

Azevedo e Silva disse que o acordo de salvaguardas tecnológicas que Bolsonaro assinou na visita aos Estados Unidos permitirá a plena utilização da Base de Alcântara por empresas de vários países.

O diretor da LAAD, Sergio Jardim, afirmou que manter as forças armadas modernas, equipadas e bem remuneradas, como Bolsonaro propõe, é essencial para a soberania do país, assim como também é contar com uma indústria de defesa capacitada.

"Nossa expectativa é que, com o novo governo, as Forças Armadas possam iniciar um ciclo virtuoso de modernização e renovação dos equipamentos", afirmou Jardim.

Mais de 450 expositores participam da LAAD, que vai até sexta-feira no Rio de Janeiro. Além de empresas brasileiras, como Embraer, Helibras, Avibras, Imbel e Condor, grandes multinacionais, como Lockheed Martin, Boeing, Airbus e Saab estão no evento.

Os organizadores esperam reunir mais de 38 mil profissionais do setor ao longo dos quatro dias de evento.

Últimas Notícias

Ver mais
Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos
Economia

Por que o PIB do Brasil cresceu 2,9% em 2023? Entenda em 4 pontos

Há 18 horas

Boa notícia do quarto trimestre foi que investimento teve ligeira melhora, diz Haddad
Economia

Boa notícia do quarto trimestre foi que investimento teve ligeira melhora, diz Haddad

Há 19 horas

Taxa de investimento de 16,5% em 2023 é a menor desde 2019, revela IBGE
Economia

Taxa de investimento de 16,5% em 2023 é a menor desde 2019, revela IBGE

Há 19 horas

Brasil sobe duas posições e fecha 2023 como a 9ª economia do mundo; veja lista completa
Economia

Brasil sobe duas posições e fecha 2023 como a 9ª economia do mundo; veja lista completa

Há 23 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais