Missão da ONU deixa Nicarágua após expulsão pelo presidente Daniel Ortega

Expulsão aconteceu depois da publicação de um relatório no qual o Estado da Nicarágua era apontado como principal responsável por abusos de direitos humanos

Manágua, 1 set (EFE) .- A missão do Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (EACDH) deixou neste sábado a Nicarágua depois que o governo encerrou as atividades do grupo no país, após a publicação de um relatório com críticas.

O documento aponta o Estado da Nicarágua como o principal responsável pelas graves violações dos direitos humanos.

Antes de partir na manhã deste sábado, a missão, liderada pelo peruano Guillermo Fernandez Maldonado, deixou uma mensagem de agradecimento para o apoio recebido no país, em relação ao trabalho realizado entre junho e agosto. Ele também reiterou que continuará "monitorando a situação e acompanhando as vítimas em busca de justiça e verdade do escritório regional no Panamá".

A missão do EACDH chegou ao país em junho para enfrentar a crise sócio-política que eclodiu em abril. Na quarta-feira, divulgou um relatório denunciando o "alto grau de repressão" do Estado em protestos contra o governo nos quais eles registraram "mais de 300 mortos e 2 mil feridos".

No relatório, a agência acusa o governo de Ortega de "uso desproporcional da força pela polícia, o que resultou às vezes em execuções extrajudiciais, desaparecimentos forçados, e obstrução de acesso a cuidados médicos", entre outras violações aos direitos humanos.

O texto também considera o governo responsável por "detenções arbitrárias ou ilegais, maus-tratos frequentes e casos de tortura e violência sexual em centros de detenção e violação das liberdades de reunião e expressão pacíficas".

O presidente da Nicarágua rejeitou o documento e afirmou que o texto era ser "subjetivo, tendencioso e preconceituoso". A decisão do governo de suspender abruptamente a presença da agência da ONU foi criticada por agências humanitárias nacionais e internacionais, que a chamaram de "expulsão".

Os protestos contra o governo começaram em abril. Inicialmente, os manifestantes queriam bloquear a reforma previdenciária proposta pelo presidente. No entanto, o movimento cresceu e passou a pedir a renúncia de Ortega após a forte repressão policial. Pelo menos 300 pessoas morreram na crise.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.