Mundo

Mercado musical segue em queda apesar de avanço do setor digital

Segundo a Federação Internacional da Indústria Fonográfica, 95% dos downloads são ilegais

Valor dos negócios musicais no mundo caiu em torno de 9%, de 2009 para 2010 (stock.XCHNG)

Valor dos negócios musicais no mundo caiu em torno de 9%, de 2009 para 2010 (stock.XCHNG)

DR

Da Redação

Publicado em 20 de janeiro de 2011 às 13h46.

Londres - A renda gerada pelos downloads legais de música se multiplicou por 10 nos últimos sete anos, mas o mercado musical perdeu quase um terço de seu valor como resultado da pirataria digital, segundo um relatório da indústria fonográfica publicado nesta quinta-feira em Londres.

"Esta é uma crise que afeta não apenas uma indústria, mas também artistas, músicos, o emprego, os consumidores e o setor criativo de maneira geral", afirma Frances Moore, diretora executiva da Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI).

Ela indica que 95% dos downloads de música feitos na internet são ilegais, o que dá uma ideia do "grande desafio" enfrentado pela indústria, principalmente em países como a Espanha, que tem um dos maiores índices de pirataria digital.

Apesar de tudo, o setor digital - que representa 29% do negócio musical no mundo - gerou 4,6 bilhões de dólares em 2010, um aumento de 1000% em relação aos 420 milhões registrados em 2004.

No mesmo período, por outro lado, o valor do negócio musical caiu 31%.

Embora não disponha ainda de dados definitivos para 2010, a IFPI estima que esta queda tenha ficado entre 8 e 9% em relação aos 17,3 bilhões de dólares de 2009.

A baixa teve "um efeito demolidor no emprego", diz Moore, apontando que a Europa pode perder até 1,2 milhão de postos de trabalho na indústria criativa por causa da pirataria, o que representa cerca de 10% da força de trabalho do continente, estimada em 14 milhões.

Apesar disso, a IFPI - que reúne 1.400 companhias fonográficas em 66 países - destaca avanços na conscientização dos governos sobre a necessidade de combater este fenômeno global em conjunto com as indústrias afetadas e os provedores de acesso à internet (IPS).

"Os governos começaram a se dar conta de que isto é motivo de desemprego, e que não é apenas um problema da indústria musical", acredita Max Hole, diretor executivo da Universal Music. "É precivo haver uma associação. É difícil coloar isto em movimento, mas ela já começou a rodar".

Apesar de uma série de boas notícias em países como França, Coreia do Sul e Irlanda, a IFPI destaca que ainda há muito trabalho a fazer em lugares como a Espanha, onde as vendas de música despencaram cerca de 55% entre 2005 e 2010 e 44% dos internautas ativos utilizam serviços de download ilegais.

"Se os outros mercados europeus fossem como a Espanha, poderíamos fechar as portas e ir para casa", afirma Frances Moore, dizendo esperar que o governo aprove finalmente uma legislação para combater os downloads ilegais.

Acompanhe tudo sobre:ArteDownloadsEntretenimentoIndústriaIndústria da músicaIndústrias em geralInternetMúsica

Mais de Mundo

Para aumentar inovação, Xangai emite regulamento para gestão de projetos de tecnologias disruptivas

Aprovação de Lei de Bases marca nova fase de Milei, diz analista argentino

Irã está expandindo suas capacidades nucleares, diz agência de energia atômica da ONU

Inflação na Argentina cai pela metade e atinge 4,2% em maio

Mais na Exame