Mundo

Margrethe II abdica após 52 anos no trono, e Frederik X é o novo rei da Dinamarca

Aos 83, dinamarquesa reinou por 52 anos e foi a primeira monarca a renunciar voluntariamente no país em quase 900 anos

Rainha Margrethe II, a monarca com o reinado mais longo da Dinamarca, abdicou ao trono neste domingo (Luca Teuchmann/Getty Images)

Rainha Margrethe II, a monarca com o reinado mais longo da Dinamarca, abdicou ao trono neste domingo (Luca Teuchmann/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 14 de janeiro de 2024 às 11h06.

A rainha Margrethe II, a monarca com o reinado mais longo da Dinamarca, abdicou ao trono neste domingo. A ação ocorreu duas semanas após ela ter feito um anúncio surpresa em discurso de Ano Novo, e abriu caminho para que seu filho primogênito, Frederik, assumisse o cargo. Margrethe reinou por 52 anos e foi a primeira monarca dinamarquesa a renunciar voluntariamente em quase 900 anos.

Apesar do frio do inverno, milhares de pessoas se reuniram do lado de fora do Palácio Christiansborg, em Copenhague, para se despedir da rainha. A cerimônia de sucessão, no entanto, é diferente de uma coroação tradicional. Com início às 13h30 do horário local (9h30 em Brasília), a solenidade durou poucos minutos. Margrethe assinou a declaração de abdicação, e Frederik tornou-se rei do país.

Depois disso, o novo monarca e a nova rainha, Mary, participam de uma curta recepção para convidados. Às 15h locais (11h em Brasília), Frederik X fará uma proclamação da varanda do Palácio ao lado da primeira-ministra Mette Frederiksen. À AFP, um oficial de polícia disse esperar por mais de 100 mil pessoas nas ruas. A presença policial recebeu reforço na capital, que foi decorada com bandeiras vermelhas e brancas.

Ao manifestar sua decisão de abdicar ao trono, Margrethe citou problemas de saúde. No entanto, mesmo Frederiksen não estava ciente das intenções da rainha até pouco antes do anúncio. A dinamarquesa informou Frederik e seu irmão mais novo, Joachim, apenas três dias antes, segundo o jornal Berlingske. Apesar disso, pesquisas de opinião mostram que mais de 80% da população local apoiaram sua decisão.

A última vez que um monarca dinamarquês renunciou voluntariamente foi em 1146, quando o rei Erik III Lam tomou a decisão para entrar num mosteiro. O caso de Margrethe também é simbólico porque ela abdicou no mesmo dia em que ascendeu ao trono após a morte de seu pai, o rei Frederik IX. A monarquia da Dinamarca é a mais antiga da Europa, com origens que remontam ao século X, com o rei viking Gorm, o Velho. Hoje, as funções da família real são em grande parte cerimoniais.

Acompanhe tudo sobre:Dinamarca

Mais de Mundo

Economia chinesa continua a se recuperar e melhorar, diz porta-voz do governo

Governo argentino suspende sites e redes sociais de rádio e TV públicas

China aumenta investimentos na Alemanha com foco em energias renováveis

China emitirá 1 trilhão de yuans em títulos especiais de longo prazo em 2024

Mais na Exame