Acompanhe:

A mãe do líder da oposição russa Alexei Navalni entrou com uma ação judicial em um tribunal da cidade ártica de Salekhard, contestando a recusa das autoridades em liberar o corpo de seu filho, informou a agência de notícias estatal russa Tass nesta quarta-feira, 21. Uma audiência fechada foi marcada para 4 de março, disse o relatório, citando funcionários do tribunal.

Liudmila Navalnaya tenta recuperar o corpo de seu filho desde sábado, 17, após sua morte em uma colônia penal no extremo norte da Rússia, no dia anterior. Ela não conseguiu descobrir onde o corpo dele está mantido, informou a equipe de Navalni.

Nesta quarta-feira, Navalnaya depositou flores e uma fotografia de seu filho em um monumento dedicado aos jornalistas em Salekhard, perto da prisão onde Navalni morreu. As flores que ela havia deixado um dia antes no memorial da cidade às vítimas da repressão foram retiradas durante a noite, enquanto vários policiais continuavam vigiando as proximidades do monumento.

"Pelo quinto dia, não consegui vê-lo"

Navalnaya apelou na terça-feira, 20, ao presidente russo, Vladimir Putin, para que liberasse o corpo de seu filho para que ela pudesse enterrá-lo com dignidade. "Pelo quinto dia, não consegui vê-lo. Eles não iriam liberar seu corpo para mim. E eles sequer me falam onde ele está", disse Navalnaya, de 69 anos em um vídeo em frente à Colônia Penal nº 3 em Kharp.

"Estou entrando em contato com você, Vladimir Putin. A resolução deste assunto depende exclusivamente de você. Deixe-me finalmente ver meu filho. Exijo que o corpo de Alexei seja libertado imediatamente, para que eu possa enterrá-lo como um ser humano", disse ela no vídeo, que foi postado nas redes sociais pela equipe de Navalni.

As autoridades russas disseram que a causa da morte de Navalni ainda é desconhecida e recusaram-se a liberar o corpo durante as próximas duas semanas, enquanto o inquérito preliminar continua, disseram membros da equipa de Navalni. Eles acusaram o governo de postergar a entrega para tentar esconder evidências.

Na segunda-feira, 19, a viúva de Navalni, Yulia, publicou um vídeo acusando Putin de matar o seu marido e alegou que a demora em liberar o corpo fazia parte de um encobrimento. "Eles são covardes e mesquinhos, escondendo o corpo dele, recusando-se a entregá-lo à mãe e mentindo miseravelmente", disse ela.

Rússia nega acusações e prende manifestantes

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, rejeitou as acusações de encobrimento, dizendo aos repórteres que "estas são acusações absolutamente infundadas e insolentes sobre o chefe do Estado russo".

Desde a morte de Navalni, cerca de 400 pessoas foram detidas em toda a Rússia enquanto tentavam homenageá-lo com flores e velas, segundo o OVD-Info, um grupo que monitora detenções políticas. As autoridades isolaram alguns dos memoriais às vítimas da repressão soviética em todo o país que estavam sendo usados como locais para deixar homenagens a Navalni.

Vários homens que foram detidos também foram obrigados a apresentar-se no escritório de recrutamento do exército local, onde as autoridades russas estão recrutando ativamente soldados voluntários e atualizando registros de homens elegíveis para o serviço, de acordo com Go by the Forest, um grupo ativista que ajuda os russos a evitarem o serviço militar. Peskov disse que a polícia estava agindo "de acordo com a lei" ao deter pessoas que prestavam homenagem a Navalni.

Mais de 75 mil pessoas apresentaram pedidos ao governo pedindo que os restos mortais de Navalny fossem entregues aos seus familiares, disse OVD-Info.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
AIEA convoca reunião extraordinária sobre central nuclear ucraniana
Mundo

AIEA convoca reunião extraordinária sobre central nuclear ucraniana

Há 4 horas

Ataques russos danificam 80% das usinas termelétricas ucranianas
Mundo

Ataques russos danificam 80% das usinas termelétricas ucranianas

Há um dia

Enchentes na Rússia afetam mais de 10 mil edifícios residenciais
Mundo

Enchentes na Rússia afetam mais de 10 mil edifícios residenciais

Há um dia

Após alerta da ONU, Ucrânia nega ter atacado a maior central nuclear da Europa
Mundo

Após alerta da ONU, Ucrânia nega ter atacado a maior central nuclear da Europa

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais