Mundo

Leilão de transmissão tem forte presença de estatais

Leilão de transmissão de energia nesta quinta-feira foi marcado pela presença de subsidiárias da Eletrobras em 5 lotes vencedores


	Torre de transmissão de energia elétrica: Dez dos 13 lotes oferecidos na competição foram arrematados, sendo que 3 não tiveram interessados
 (Wikimedia Commons)

Torre de transmissão de energia elétrica: Dez dos 13 lotes oferecidos na competição foram arrematados, sendo que 3 não tiveram interessados (Wikimedia Commons)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de novembro de 2013 às 13h19.

São Paulo - O leilão de transmissão de energia nesta quinta-feira foi marcado pela presença de subsidiárias da Eletrobras em 5 lotes vencedores, sendo que também arremataram lotes a paranaense Copel, a espanhola Abengoa, a chinesa State Grid e um consórcio formado por empresas não tradicionais no setor.

Dez dos 13 lotes oferecidos na competição foram arrematados, sendo que 3 não tiveram interessados. Somados, os empreendimentos tem investimentos de cerca de 3,6 bilhões de reais, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

O consórcio formado por Copel e Furnas, subsidiária da Eletrobras venceu o lote A sem oferecer um desconto em relação à Receita Anual Máxima (RAP) permitida, garantindo uma receita de 174,4 milhões de reais.

O consórcio foi o único a oferecer lance pelo lote, o maior do leilão, com 3 linhas e 3 subestações em São Paulo e Paraná. O lote A vai permitir intercâmbio de energia entre Sudeste e Sul e o pleno escoamento da energia das usinas do rio Madeira.

A espanhola Abengoa venceu o lote B, oferecendo desconto de 10,1 por cento ante a RAP permitida, garantindo receita de 52,4 milhões de reais. O lote B é formado por uma linha de transmissão em 500 kV, Maribondo II-Campinas, de 367 quilômetros, localizada em Minas Gerais e São Paulo.

O Consórcio formado pela goiana Celg GT (com 50,1 por cento) e Furnas (49,9 por cento), da Eletrobras, venceu o lote D, ofertando desconto de 0,54 por cento sobre a RAP máxima, garantindo uma receita de 3,05 milhões de reais. O lote é formado pela linha de transmissão LT Barro Alto-Itapaci, de 69 quilômetros, em Goiás.

O consórcio formado pela Braxenergy Desenvolvimento de Projetos de Energia (com 70 por cento) e LT Bandeirante (30 por cento) venceu o lote E, com desconto de 20 por cento sobre a RAP máxima, garantindo receita de 24,5 milhões de reais. O lote tem 2 linhas de transmissão e 2 subestações no Ceará.


A Copel venceu o lote F, oferecendo desconto de 5 por cento relação à RAP máxima, para ter receita de 6,7 milhões de reais. O lote é formado de linha Bateias-Curitiba Norte e por uma subestação, no Paraná.

O consórcio formado por Braxenergy Desenvolvimento de Projetos de Energia (com de 70 por cento) e LT Bandeirante (30 por cento) venceu o lote G, oferecendo desconto de 10,5 por cento relação à RAP máxima, garantindo receita de 11,9 milhões de reais. O lote G ficará no Pará, com uma linha de transmissão de 126 quilômetros, e duas subestações de energia.

O consórcio formado por Eletrosul (com 51 por cento) e CEEE-GT (49 por cento) venceu o lote I, com desconto de 30 por cento ante a RAP máxima, para receita de 16,3 milhões de reais. O lote fica no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, com 3 linhas de transmissão e 2 subestações, e elevará a segurança do sistema à região, que passará a funcionar sob o critério N-2.

A Eletrosul, da Eletrobras, venceu o lote K, com desconto oferecido de 30 por cento relação à RAP máxima, para uma receita de 2,534 milhões de reais. O lote K será localizado no Mato Grosso do Sul, visando garantir o atendimento a região de Campo Grande, com uma subestação de energia Ivinhema.

A Eletronorte, também da Eletrobras, venceu o lote N, sem oferecer desconto em relação à RAP máxima, garantindo uma receita de 38,9 milhões de reais. O lote no Acre, tem duas linhas de transmissão e duas subestações, interligando as regiões central e oeste do Estado ao sistema nacional.


A chinesa State Grid venceu o lote P, oferecendo desconto de 28 por cento relação à RAP máxima, garantindo receita de 11,6 milhões de reais a ser recebida quando o projeto entrar em operação. O lote é formado por uma subestação localizada em São Paulo e Mato Grosso do Sul, a SE Marechal Rondon.

O lote J, que promoveria o atendimento à região leste de Minas Gerais, terminou sem interessados. O mesmo aconteceu com o lote H, formado de uma subestação localizada no Pará, a SE Jurupari, e o lote Q, em São Paulo é composto pela Subestação Domenico Rangoni, para atender o litoral paulista.

Os lotes C, L, M, e O, segundo a Aneel, serão licitados em outro leilão em dezembro.

Acompanhe tudo sobre:EletrobrasEmpresasEmpresas estataisEnergia elétricaEstatais brasileirasHoldingsLeilõesServiçosTransmissão de energia

Mais de Mundo

Foto inédita de William com os filhos, tirada por Kate, é publicada para celebrar Dia dos Pais

Exército israelense anuncia pausa diária nas operações em uma região de Gaza

Cúpula pela paz na Suíça reafirma integridade da Ucrânia, mas pede negociações com a Rússia

Brasil é 3º país mais inseguro da América do Sul, diz Global Peace Index

Mais na Exame