A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Kerry quis impedir vazamentos sobre Hillary, diz Wikileaks

O anúncio ocorre depois que o Wikileaks denunciou ontem que a conexão de internet de Assange havia sido "interrompida deliberadamente"

Londres - O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, pediu ao Equador que evitasse que o fundador do Wikileaks, Julian Assange, asilado na embaixada equatoriana em Londres, divulgasse informação classificada de Hillary Clinton durante as negociações de paz das Farc, segundo revelou nesta terça-feira esse portal.

O anúncio feito por essa organização em um tweet ocorre depois que o Wikileaks denunciou ontem que a conexão de internet de Assange, que desde 2012 vive refugiado em dita embaixada, havia sido "interrompida deliberadamente".

"Múltiplas fontes dos EUA nos dizem que John Kerry pediu ao Equador que evitasse que Assange publicasse documentos relacionados com (a candidata democrata às eleições presidenciais americanos) Hillary durante as negociações de paz das Farc", afirmou hoje o Wikileaks.

Assange não pode deixar a missão equatoriana, após ter solicitado a ajuda do governo de Quito a fim de evitar sua extradição à Suécia, país que quer interrogá-lo por crimes sexuais contra duas mulheres que ele nega.

O australiano, que seria detido se colocar um pé fora desse edifício, teme que uma vez na Suécia seja entregue aos Estados Unidos onde teme por sua vida, pois poderia ser julgado por crimes de espionagem pelos milhares de dados confidenciais filtrados por sua portal sobre Washington.

Em outro tweet, o Wikileaks indicou hoje que "o encontro privado de John Kerry com o Equador aconteceu no contexto das negociações (do processo de paz com as Farc) que ocorreram principalmente em 26 de setembro na Colômbia".

A restrição de internet ao jornalista australiano aconteceu após a divulgação de uma nova rodada de e-mails do Partido Democrata dos Estados Unidos.

Ao estar recluso nesse edifício há quatro anos, a internet é uma das poucas maneiras que o ativista tem de manter em contato com o exterior. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também