Mundo

J&J pede autorização para dose de reforço de vacina contra covid nos EUA

A J&J disse que o pedido inclui dados de um estudo em estágio avançado que concluiu que uma dose de reforço aplicada 56 dias após a dose inicial dá proteção de 94% contra casos sintomáticos da covid

Johnson & Johnson: os EUA já autorizou uma dose de reforço da vacina contra covid-19 desenvolvida pela Pfizer (NurPhoto / Colaborador/Getty Images)

Johnson & Johnson: os EUA já autorizou uma dose de reforço da vacina contra covid-19 desenvolvida pela Pfizer (NurPhoto / Colaborador/Getty Images)

R

Reuters

Publicado em 5 de outubro de 2021 às 09h25.

A Johnson & Johnson anunciou nesta terça-feira que entregou dados para a agência reguladora norte-americana Food and Drug Administration (FDA) para a autorização de uso emergencial para uma dose de reforço de sua vacina contra covid-19 em pessoas com mais de 18 anos.

A J&J disse que o pedido inclui dados de um estudo em estágio avançado que concluiu que uma dose de reforço aplicada 56 dias após a dose inicial dá proteção de 94% contra casos sintomáticos da Covid nos Estados Unidos e de 100% contra quadros graves da doença, ao menos 14 dias após a aplicação da dose de reforço.

Embora cientistas se dividam sobre a necessidade de doses de reforço contra a Covid em um momento em que muitas pessoas nos EUA e em outros países ainda não receberam vacinas, o governo do presidente norte-americano, Joe Biden, anunciou a iniciativa de aplicação de uma dose extra em agosto para impulsionar a proteção contra a variante Delta do coronavírus, altamente transmissível.

O pedido da J&J vem após a FDA agendar na semana passada uma reunião para o dia 15 de outubro de seu comitê de especialistas para discutir se autoriza uma segunda dose da vacina de dose única da companhia.

A FDA já autorizou uma dose de reforço da vacina contra covid-19 desenvolvida pela Pfizer em parceria com a BioNTech para pessoas com mais de 65 anos, pessoas com alto risco de contraírem formas graves da doença e as que são regularmente expostas ao vírus.

A Pfizer também pediu à FDA que amplie essa autorização para todas as pessoas com mais de 16 anos, mas a agência reguladora decidiu limitar o alcance da autorização alegando que as evidências mostraram que o reforço é benéfico para os mais velhos e para as pessoas expostas a maior risco.

A J&J disse que pretende entregar os dados para outros órgãos reguladores, para a Organização Mundial de Saúde (OMS) e para os Grupos de Aconselhamento Técnico da Imunização Nacional.

  • Quer saber tudo sobre o desenvolvimento e eficácia de vacinas contra a covid-19? Assine a EXAME e fique por dentro.
Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Johnson & JohnsonPandemiavacina contra coronavírusVacinas

Mais de Mundo

'Todo mundo com Edmundo!': oposição esquenta campanha presidencial na Venezuela

Biden e Trump trocam ataques em atos de campanha

Muro 'anti-Haiti' vira bandeira eleitoral na República Dominicana

Grécia vai construir a maior 'cidade inteligente' da Europa, com casas de luxo e IA no controle

Mais na Exame