Mundo

Japão gastaria US$ 280 bi com novo sistema de energia

Segundo o Greenpeace, este seria o valor necessário para substituir as usinas nucleares por energia solar ou eólica

Usina de Fukushima: após o acidente, japoneses são contra a energia nuclear (AFP)

Usina de Fukushima: após o acidente, japoneses são contra a energia nuclear (AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 12 de setembro de 2011 às 12h45.

Tóquio - Afastar-se da energia nuclear e substituí-la por energia solar ou eólica custaria ao Japão cerca de 280 bilhões de dólares em novos investimentos até 2020, disse o Greenpeace nesta segunda-feira, pedindo a Tóquio que garanta a segurança para a futura geração de energia.

O estudo foi apresentado enquanto o Japão debate o futuro da energia nuclear depois que o terremoto e o tsunami de março provocaram a pior crise nuclear do mundo em 25 anos, na usina de Fukushima Daiichi.

Cerca de 70 por cento da população japonesa se opõe à energia nuclear e acham necessário buscar fontes alternativas de energia apesar do custo potencial.

Atualmente, apenas 11 dos 54 reatores estão operando no Japão após verificações de manutenção devido à preocupação da população. Isso significa que apenas 20 por cento da capacidade nuclear total do país está sendo utilizado. A energia solar e a eólica é responsável por cerca de 1 por cento da eletricidade do país.

Em um cenário de energia verde, que inclui um aumento pequeno da energia gerada por gás, o lobby ambiental propôs aumentar a capacidade geradora de turbinas eólicas dos atuais 2,1 gigawatts para 56 gigawatts e a dos painéis solares de 3,6 GW para 57 GW.

O Greenpeace também diz que o custo da eletricidade proveniente da energia solar, que agora é mais alto do que os dos combustíveis fósseis, deveria cair para níveis competitivos conforme a tecnologia avança.

"O preço (da energia solar) caiu mais de 50 por cento no último ano na Europa e vai cair outros 20 por cento nos próximos 12 meses", disse Sven Teske, especialista sênior em energia do Greenpeace International.

O Greenpeace quer que o Japão reduza sua capacidade por energia de carvão em 60 por cento, para 19,3 GW dentro de 10 anos. O Japão também deveria reduzir a capacidade de usinas de energia abastecidas por petróleo em 16 por cento, enquanto aumenta a capacidade de energia gerada por gás natural, acrescentou.

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaEnergiaEnergia elétricaEnergia eólicaEnergia nuclearGreenpeaceInfraestruturaJapãoPaíses ricosServiços

Mais de Mundo

Chanceler israelense ameaça Hezbollah libanês com 'guerra total'

Alemanha alerta risco de ataques terroristas semelhantes ao de Moscou

Sob críticas da Otan, Putin desembarca na Coreia do Norte para estreitar parceria 'estratégica'

Milei perde apoio em 18 de 24 municípios da Grande Buenos Aires, mostra pesquisa

Mais na Exame