Incêndio de grandes proporções atinge arranha-céu na China; veja vídeo

O incêndio, já extinto, afetou o prédio da empresa estatal de telecomunicações China Telecom
A cidade de Changsha, com uma população de dez milhões de habitantes, é a capital da província de Hunan (AFP/AFP Photo)
A cidade de Changsha, com uma população de dez milhões de habitantes, é a capital da província de Hunan (AFP/AFP Photo)
A
AFPPublicado em 16/09/2022 às 11:13.

Um incêndio arrasou, nesta sexta-feira, 16, um arranha-céu de 218 metros de altura na cidade chinesa de Changsha, no centro do país, mas sem causar vítimas, segundo uma primeira avaliação dos bombeiros.

O incêndio, já extinto, afetou o prédio da empresa estatal de telecomunicações China Telecom.

A cidade de Changsha, com uma população de dez milhões de habitantes, é a capital da província de Hunan.

Imagens impressionantes transmitidas pela televisão estatal CCTV mostraram imensas chamas alaranjadas em toda a lateral do prédio, que tem 42 andares acima do solo.

Em vídeos postados nas redes sociais, uma espessa coluna preta pode ser vista escapando do prédio e pessoas fugindo para não serem atingidas por detritos incandescentes que caem do céu.

"De acordo com uma investigação preliminar, (o incêndio) teria ocorrido em uma parede externa do prédio", disseram os bombeiros da província de Hunan na rede social Weibo.

"O fogo foi controlado e não foram encontradas vítimas", ressaltou a mesma fonte, acrescentando que o primeiro pedido de socorro foi às 15h48 (04h48 no horário de Brasília).

Internautas publicaram imagens de um longo braço articulado utilizado pelos bombeiros para lançar água contra a superfície do prédio, parcialmente queimado.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

"O fogo foi apagado às 16h30" e "as comunicações (por telefone) não foram interrompidas", garantiu a China Telecom em uma mensagem postada no Weibo, confirmando ainda a ausência imediata de vítimas.

O arranha-céu foi concluído em 2000, de acordo com a CCTV. Esta relativa modernidade do edifício poderia explicar em parte a ausência de vítimas. Os edifícios nas grandes cidades da China praticam regularmente simulações de incêndio.

De qualquer forma, a China é frequentemente palco de incêndios mortais, em parte explicados por uma aplicação, às vezes, negligente dos regulamentos de segurança e construções ilegais que podem complicar a evacuação.

Em junho de 2021, um incêndio em uma escola de artes marciais na província central de Henan deixou 18 mortos, a maioria crianças com entre 7 e 16 anos.

A mídia oficial indicou na época que o prédio onde a escola estava localizada não havia passado nas verificações de segurança obrigatórias.

Em 2017, dois incêndios mataram mais de 20 pessoas em bairros de Pequim habitados por trabalhadores migrantes de outras províncias.

Em 2010, um grande incêndio devastou um prédio residencial de 28 andares em Xangai, matando 58 pessoas.

LEIA TAMBÉM:

Grupo chinês Higer Bus vai abrir fábrica de ônibus elétrico no Ceará

Xi pede ordem internacional em direção mais justa; Putin celebra novos centros de poder