Greve na África do Sul atinge maiores produtores de platina

Sindicato de mineiros da África do Sul deu início a uma greve por um forte aumento de salários que o empregadores alegam não ter como pagar

Rustenburg - Minas responsáveis por metade da produção mundial de platina pararam nesta quinta-feira, quando o sindicato de mineiros da África do Sul deu início a uma greve por um forte aumento de salários que o empregadores alegam não ter como pagar.

Membros da Associação de Mineiros e Sindicato da Construção (AMCU, na sigla em inglês), principal sindicato do setor, cruzaram os braços em unidades da Anglo American Platinum, Impala Platinum e Lonmin, as três principais produtoras do metal usado sobretudo nos conversores catalíticos dos carros.

Os diretores-executivos das três companhias disseram que as demandas salariais são "irreais e impagáveis" e avisaram que a indústria pode amargar mais prejuízos de produção e a perda de postos de trabalho.

A Amplats afirmou que a greve afetou as minas em três locais --Rustenburg, Union e Amandelbul--, onde faltas foram registradas. Todos os processos operacionais eram conduzidos normalmente, disse.

A Implats fechou as suas minas, unidades de processamento e fundição em Rustenburg, a noroeste de Johanesburgo, na quarta-feira, antes da greve, para garantir a segurança de seus empregados.

O AMCU, cuja proeminência nos últimos dois anos tem agitado as relações trabalhistas na indústria de mineração, possui ao menos 100 mil membros no cinturão da platina, 120 km a noroeste de Johanesburgo.

Não ficou claro se todos os membros da AMCU atenderam ao chamado de greve, mas dezenas de grevistas se reuniram em frente a algumas minas nesta quinta-feira.

"Somos pagos com migalhas. E o custo de vida está muito alto", disse um dos grevistas em uma mina da Amplats.

"Se eles não atenderem a nossas demandas, vamos continuar fazendo greve." O AMCU pede mais do que uma duplicação do salário-base à Amplats e à Lonmin e aumentos menores, mas ainda altos, à Implats. As empresas oferecem aumentos entre 7,5 e 8,5 por cento, acima da taxa de inflação de 5,4 por cento.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.