Acompanhe:

A torre Eiffel seguirá fechada na manhã de sábado, 24, pelo sexto dia consecutivo, devido a uma greve dos sindicatos, que denunciam uma "preocupante deterioração" deste emblemático monumento parisiense.

A "Dama de Ferro" está com as portas fechadas desde segunda-feira, depois que as representações sindicais de seus funcionários, FO e CGT, convocaram uma greve para "denunciar a gestão atual" deste monumento, símbolo de Paris.

O fechamento deixou muitos visitantes frustrados, sobretudo os turistas estrangeiros.

Quando projetou o monumento há 135 anos, o engenheiro Gustave Eiffel deixou a instrução de renovar a pintura da torre a cada sete anos, uma vez que a mesma, segundo ele, "é o elemento essencial para a conservação de uma estrutura metálica".

Os sindicatos denunciam a falta de manutenção e um atraso em sua 20ª campanha de pintura, iniciada em 2019.

"Existem inúmeros pontos de corrosão, sinais de uma preocupante deterioração do monumento", afirmaram os sindicatos CGT e FO, que também apontam a responsabilidade da empresa que gere a torre, SETE, e da cidade de Paris, acionista majoritária da empresa e proprietária do monumento.

O ferro escolhido para a construção da torre "enferruja muito mais rápido que o aço", disse o pintor Pierre Lamalattie, da associação Amis du Champ-de-Mars. "Sempre que há manchas de ferrugem, elas progridem rapidamente e podem causar problemas de segurança", afirmou o crítico de arte.

"Em muito bom estado"

Segundo a prefeitura parisiense, o monumento "está em um muito bom estado", enquanto a SETE afirma que a atual campanha de pintura não terminou e que "restam 40%".

"A pintura está deteriorada, não a estrutura", resumiu à AFP o presidente da SETE, Jean-François Martins.

Os sindicatos também criticam a prefeitura de Paris que, segundo eles, impõe um modelo de negócio "insustentável" devido a um desequilíbrio entre o valor das receitas e os gastos, exacerbado pela crise da covid-19.

O equilíbrio econômico da torre Eiffel viu-se afetado pela perda de cerca de 120 milhões de euros (641 milhões de reais) em entradas durante os dois anos da crise sanitária (2020-2021).

Nesta sexta, "a assembleia geral dos funcionários votou por continuar a greve", confirmaram em um comunicado a GGT e a FO.

O delegado sindical da CGT, Stéphane Dieu, disse à AFP que a mobilização continuaria porque "o único avanço" alcançado na quinta-feira foi "que a prefeitura se sentasse à mesa de negociações".

Os sindicatos explicaram que esperam "avanços concretos no modelo econômico geral" em vez de "tentativas (por parte da gestão) de desviar o debate para questões salariais, algo que os trabalhadores rejeitam".

No sábado de manhã, será realizada uma nova assembleia geral para decidir se o protesto deve continuar.

Se a greve se prolongar para além de domingo, será a mais longa da história recente da Torre Eiffel. No outono (boreal) de 1998, o emblemático monumento parisiense permaneceu fechado por seis dias e meio.

O monumento recebeu 6,3 milhões de visitantes em 2023, número maior que em 2019, antes da pandemia.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Universidades e institutos federais marcam greve a partir de segunda
Brasil

Universidades e institutos federais marcam greve a partir de segunda

Há 2 dias

Olimpíadas de Paris: se chover, qualidade da água do Sena pode adiar maratona aquática
ESG

Olimpíadas de Paris: se chover, qualidade da água do Sena pode adiar maratona aquática

Há 4 dias

Paris-2024: Ministra francesa nega 'abuso orçamentário' dos Jogos Olímpicos
Mundo

Paris-2024: Ministra francesa nega 'abuso orçamentário' dos Jogos Olímpicos

Há uma semana

Governo francês apresenta plano para acalmar agricultores
Mundo

Governo francês apresenta plano para acalmar agricultores

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais