Mundo

Furacão Lorena avança pelo México com fortes chuvas e ventos de 165 km/h

Governo do México recomendou que a população que vive em áreas atingidas fiquem em alerta e pediu que a navegação marítima seja suspensa

Lorena: furacão gerou fortes chuvas e preocupação entre a população (Jesus Lozoya/Reuters)

Lorena: furacão gerou fortes chuvas e preocupação entre a população (Jesus Lozoya/Reuters)

E

EFE

Publicado em 21 de setembro de 2019 às 09h48.

Cidade do México - O furacão Lorena, de categoria 1 na escala Saffir-Simpson, que vai até 5, tocou terra nesta sexta-feira no estado de Baja Califórnia Sur, no México, provocando fortes chuvas e gerando preocupação entre a população.

Segundo o Serviço Meteorológico Nacional do México, o furacão traz consigo rajadas de vento de até 165 km/h. O órgão também registrou ressacas no litoral do estado. As ondas chegam a até cinco metros.

O governo do México recomendou que a população que vive em áreas atingidas pelo furacão fiquem em alerta e pediu que a navegação marítima seja suspensa enquanto o Lorena passa pela região.

O Sistema Nacional de Proteção Civil divulgou um alerta sobre a possibilidade de deslizamentos, transbordamentos de rios e bloqueios em estradas devido à passagem do Lorena.

Em algumas cidades da Baja Califórnia Sur, a população lotou os supermercados para se abastecer antes da chegada do furacão. Longas filas eram registradas nos estabelecimentos horas antes do fenômeno tocar terra.

O Lorena se formou no último dia 17 de setembro e avançou pelo litoral oeste do México como uma tempestade tropical. Ontem, o fenômeno ganhou força e tocou terra no estado de Jalisco como um furacão de categoria 1. EFE

Acompanhe tudo sobre:Desastres naturaisFuracõesMéxicoMudanças climáticas

Mais de Mundo

Brasil é 3º país mais inseguro da América do Sul, diz Global Peace Index

Candidato à presidência denuncia 'prisão arbitrária' de assistentes na Venezuela

Pequeno município no leste da China desenvolve indústria panificadora bilionária

Após escândalo com PwC na China, KPMG e EY assumem auditorias no país

Mais na Exame