Acompanhe:

As tropas ucranianas e russas travam "batalhas violentas" nesta sexta-feira, 16, dentro do "inferno" de Avdiivka, uma cidade do leste da Ucrânia que está recebendo reforços das forças de Kiev.

Porém, existe o risco de retirada da Ucrânia da localidade devido à falta de recursos e aos ataques contínuos de Moscou, que iniciou a invasão da ex-república soviética no final de fevereiro de 2022.

"Batalhas violentas acontecem dentro da cidade", anunciou o general ucraniano Oleksandr Tarnavski, que comanda as forças de Kiev no leste do país nas redes sociais. "Nossas tropas utilizam todas as forças e recursos disponíveis para conter o inimigo", acrescentou.

A batalha de Avdiivka está em uma fase "crítica" e é mais difícil que a de Bakhmut, que durou vários meses até a conquista da cidade ucraniana pelo Exército russo, afirmou o porta-voz da 3ª brigada de ataque, Oleksandr Borodin.

"A situação é crítica. O inimigo continua pressionando", declarou Borodin. "Lá (em Bakhmut), era difícil, agora é extremamente difícil, contra forças russas mais bem armadas", acrescentou.

Na quinta-feira, o presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, afirmou que as tropas farão "todo o possível" para salvar vidas na frente leste, em particular em Avdiivka, onde a situação é "crítica".

A posição dos soldados ucranianos é cada vez mais precária na cidade devastada da região do Donbass, alvo de uma ofensiva russa.

Na quinta-feira, Kiev mobilizou mais tropas para auxiliar as unidades em Avdiivka, que virou um "inferno", segundo a terceira brigada de assalto, enviada como reforço.

O município caiu brevemente nas mãos dos separatistas pró-Rússia em julho de 2014, antes de retornar ao controle ucraniano, e a Rússia tenta assumir o controle da localidade há vários meses

Apesar do cenário de destruição, quase 900 civis permanecem em Avdiivka, segundo as autoridades locais. Moscou espera que a conquista da área dificulte os bombardeios ucranianos sobre Donetsk, reduto das forças pró-Rússia no leste da Ucrânia há 10 anos.

A conquista da cidade representaria uma importante vitória simbólica para a Rússia.

Tarnavski destacou que suas tropas estão preparando "novas posições" de defesa ao redor da cidade e "continuam instalando fortificações, levando em consideração todos os cenários possíveis".

Também afirmou que a prioridade de Kiev é "preservar a vida de cada soldado ucraniano" e descreveu a situação em Avdiivka como "difícil, mas controlada". Ele disse que seus comandantes receberam instruções de "estabilizar a situação".

O Exército ucraniano afirmou que as tropas "permanecem firmes" e acrescentou que "continuam provocando o recuo do inimigo que tenta cercar Avdiivka".

 "Capacidades suficientes"

A poucos dias do segundo aniversário da invasão russa e depois do fracasso da contraofensiva de 2023, a Ucrânia enfrenta múltiplos desafios: as tropas russas estão na ofensiva, a ajuda militar americana é cada vez mais improvável e o Exército ucraniano enfrenta a escassez de soldados, armas e munições.

"Estamos fazendo todo o possível para garantir que nossos combatentes tenham capacidades suficientes de organização e tecnologia para salvar o maior número possível de vidas ucranianas", declarou Zelensky na quinta-feira, em referência à situação "em Avdiivka e no leste em geral".

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Kirby, advertiu que "Avdiivka corre o perigo de cair sob controle russo".

"Infelizmente, estamos recebendo relatórios dos ucranianos de que a situação é crítica; os russos continuam pressionando as posições ucranianas a cada dia", declarou Kirby, ao mesmo tempo que o governo do presidente democrata Joe Biden tenta obter dos republicanos no Congresso um acordo sobre um novo pacote de ajuda.

Nesta sexta-feira, o centro de estudos alemão Kiel Institute afirmou que a União Europeia deverá "ao menos dobrar sua ajuda militar" à Ucrânia para compensar a inação dos Estados Unidos.

"É altamente incerto que os Estados Unidos enviem ajuda militar adicional em 2024", afirmou o instituto, que compila informações sobre a ajuda militar, financeira e humanitária prometida e entregue à Ucrânia desde a invasão russa em 2022.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Polônia prende russo suspeito de planejar assassinato de Zelensky
Mundo

Polônia prende russo suspeito de planejar assassinato de Zelensky

Há 14 horas

Alemanha prende suspeitos de sabotagem contra instalações militares
Mundo

Alemanha prende suspeitos de sabotagem contra instalações militares

Há 21 horas

G7 condena ataque do Irã a Israel e indica a possibilidade de medidas futuras
Mundo

G7 condena ataque do Irã a Israel e indica a possibilidade de medidas futuras

Há 23 horas

UE vai impor sanções à indústria iraniana de drones e mísseis
Mundo

UE vai impor sanções à indústria iraniana de drones e mísseis

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais