Acompanhe:

FAO, FIDA e PMA denunciam preços elevados dos alimentos

As três organizações das Nações Unidas pediram medidas "contundentes" diante de um aumento da fome e da pobreza no mundo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Os países pequenos dependentes das importações são os mais ameaçados, segundo as instituições (Menahem Kahana/AFP)

Os países pequenos dependentes das importações são os mais ameaçados, segundo as instituições (Menahem Kahana/AFP)

D
Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2011 às, 11h50.

Roma - As três organizações das Nações Unidas com sede em Roma, FAO, FIDA e PMA, denunciaram nesta segunda-feira a "volatilidade" e o "elevado aumento" dos preços dos alimentos e pediram medidas "contundentes" diante de um aumento da fome e da pobreza no mundo.

No relatório anual sobre a fome no mundo 2011, os responsáveis das organizações da ONU em Roma advertiram que "os países pequenos dependentes das importações - em particular na África - são os mais ameaçados".

"A volatilidade e os preços elevados dos alimentos continuarão e possivelmente vão aumentar, fazendo com que os agricultores, consumidores e países pobres sejam mais vulneráveis à insegurança alimentar e à pobreza", indicaram.

Segundo o informe, produzido em conjunto pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), pelo Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA), a crise econômica e alimentar mundial iniciada nos anos de 2006-2008 continua afetando os países pobres.

"Estão sendo dificultados nossos esforços com o intuito de alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) de reduzir à metade a porcentagem de pessoas que têm fome no mundo para 2015", ressaltaram.

"Mas inclusive se estes objetivos forem alcançados, nos países em desenvolvimento continuarão existindo cerca de 600 milhões de pessoas subnutridas. O fato de existirem 600 milhões de seres humanos com fome todos os dias é inaceitável", reconhecem Jacques Diouf (FAO), Kanayo F. Nwanze (FIDA) e Josette Sheeran (PMA).

"Toda a comunidade internacional deve agir já e fazê-lo de forma enérgica para erradicar a insegurança alimentar do planeta", acrescentaram.

Os dirigentes das três agências especializadas em temas de agricultura e alimentação solicitam que os governos se comprometam a garantir normas "transparentes e previsíveis" que "promovam o investimento privado e favoreçam o aumento da produtividade agrícola".

Também solicitam a redução "do desperdício de alimentos nos países desenvolvidos" através da educação e de políticas adequadas.

"É fundamental realizar uma gestão mais sustentável de nossos recursos naturais, florestais e pesqueiros para a segurança alimentar de muitos dos membros mais pobres da sociedade", indicam no informe.

Últimas Notícias

Ver mais
Lula reafirma que Brasil é contra sanções a Venezuela, dizem interlocutores do governo brasileiro
Brasil

Lula reafirma que Brasil é contra sanções a Venezuela, dizem interlocutores do governo brasileiro

Há 13 horas

Conselho de Segurança votará pedido de adesão da Palestina à ONU
Mundo

Conselho de Segurança votará pedido de adesão da Palestina à ONU

Há 16 horas

Após ataque do Irã a Israel, Conselho de Segurança da ONU e G7 se reúnem para discutir conflito
Mundo

Após ataque do Irã a Israel, Conselho de Segurança da ONU e G7 se reúnem para discutir conflito

Há 4 dias

Crise no Haiti: ONU diz que quase 100 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe por violência de gangues
Mundo

Crise no Haiti: ONU diz que quase 100 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe por violência de gangues

Há 5 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais