EUA rejeitam plano para fechar Guantánamo por alto custo

De acordo com a publicação nova-iorquina, a proposta apresentada pelo Departamento de Defesa chegava a US$ 600 milhões

Washington – O governo dos Estados Unidos rejeitou um plano elaborado pelo Departamento de Defesa para fechar a prisão de Guantánamo, em Cuba, por considerá-lo caro demais, por isso o devolveu ao Departamento de Defesa para que fosse revisado, publicou nesta terça-feira o jornal “The Wall Street Journal” (WSJ).

De acordo com a publicação nova-iorquina, a proposta apresentada pelo Departamento de Defesa chegava a US$ 600 milhões, uma quantia considerada muito alta pela administração do presidente Barack Obama.

Dos US$ 600 milhões orçados para o fechamento da prisão, US$ 350 milhões seriam destinados à construção de uma nova penitenciária em território americano para onde seriam transferidos os presos considerados de maior risco, revelaram funcionários do alto escalão do Departamento de Defesa ao “WSJ”.

A rejeição ao plano apresentado pelo Departamento de Defesa representa um novo empecilho para que Obama consiga cumprir sua promessa de fechar Guantánamo antes do término de seu mandato.

O fechamento da prisão é uma promessa de seu primeiro mandato, mas o projeto sempre foi recebido com rejeição pelo Congresso, especialmente entre os republicanos, que são contrários à transferência dos presos para penitenciárias dentro do território americano.

O custo anual para operar Guantánamo, onde ainda há 107 presos, é de US$ 400 milhões, enquanto o da nova prisão que o Departamento de Defesa propôs construir seria de US$ 300 milhões, mas com um custo adicional de US$ 350 milhões para sua construção.

No último dia 25, Obama assinou o projeto de lei orçamentária para os gastos com defesa de mais de US$ 600 bilhões, apesar de o mesmo conter restrições à transferência de presos de Guantánamo para o território americano, o que atrapalhou diretamente sua meta de fechar a prisão.

Em comunicado, Obama explicou sua decisão de assinar a Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA, sigla em inglês) porque a mesma inclui “benefícios vitais para o pessoal militar e suas famílias”, e contém “autorizações para facilitar as operações em curso no mundo todo “.

Mas as “restrições contidas nesta lei referentes à prisão de Guantánamo são, como disse no passado, injustificadas e contraproducentes”, ressaltou Obama.

A prisão de Guantánamo chegou a abrigar cerca de 800 presos pouco após sua abertura, ordenada pelo então presidente americano, George W. Bush, após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.