Mundo

EUA e Ucrânia acusam Rússia de usar gás tóxico proibido, revela WSJ

Países afirmam que russos têm feito uso indiscriminado de cloropicrina em granadas.

Russos têm adicionado gases químicos em armas de guerra (Serviço de Emergência da Ucrânia/Divulgação)

Russos têm adicionado gases químicos em armas de guerra (Serviço de Emergência da Ucrânia/Divulgação)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 23 de maio de 2024 às 08h59.

Soldados ucranianos estavam entrincheirados em um abrigo na linha de frente no mês passado, sob ataque de drones russos lançando granadas. Inicialmente aliviados quando as granadas caíram sem explodir, logo sentiram um forte cheiro de cloro: as granadas estavam liberando gás venenoso. Os soldados ucranianos contaram em reportagem do Wall Street Journal que sentiram a pele arder, os olhos lacrimejarem e os pulmões se encherem de fumaça, provocando uma tosse intensa. Rapidamente, molharam panos com água e os colocaram sobre o rosto enquanto o gás pesado preenchia o ar ao redor. Um dos soldados saiu do abrigo para distrair os drones inimigos, permitindo que seus companheiros escapassem.

Oleksiy Bozhko, um médico voluntário cujo grupo examinou os homens perto da cidade de Avdiivka, identificou o gás como cloropicrina, um irritante químico proibido, com base nos sintomas dos soldados e na descrição do cheiro. Autoridades dos EUA e da Ucrânia, assim como médicos, soldados e pesquisadores internacionais, afirmam que o uso de gases tóxicos pelos russos no campo de batalha está aumentando, à medida que Moscou intensifica uma ofensiva para conquistar mais território ucraniano.

Desde que a Ucrânia repeliu os ataques iniciais russos em 2022, a guerra se transformou em uma batalha desgastante em que cada lado busca uma vantagem contra as linhas defensivas fortificadas. Vendo uma oportunidade na escassez de armas e forças de reserva da Ucrânia, a Rússia tem avançado em várias frentes, usando bombas aéreas guiadas para destruir posições ucranianas. Gases tóxicos podem prejudicar a capacidade das tropas ucranianas de defender posições entrincheiradas, forçando-as a se retirar.

EUA anunciam novas sanções

Os EUA anunciaram sanções no início deste mês contra empresas e órgãos governamentais russos envolvidos na criação e fornecimento de armas químicas usadas na linha de frente, destacando a cloropicrina. O agente químico, às vezes usado em pesticidas, foi armado durante a Primeira Guerra Mundial e é proibido para uso em batalhas pela Convenção sobre Armas Químicas, da qual a Rússia é signatária.

Após o anúncio das sanções dos EUA, o porta-voz do presidente russo Vladimir Putin, Dmitry Peskov, classificou as acusações de uso de gases pelas tropas como "infundadas", dizendo: "A Rússia tem sido e continua comprometida com suas obrigações sob a lei internacional nesta área." A resposta foi dada ao Wall Street Journal.

Dan Kaszeta, especialista em armas químicas e membro associado do Royal United Services Institute, disse ao jornal americano que a cloropicrina é tóxica para humanos e animais, mas também atua como um irritante. Dependendo do nível de exposição, o gás pode queimar a pele, irritar os ductos lacrimais e dificultar a respiração, muito menos a defesa contra ataques iminentes. Kaszeta disse que o produto químico foi superado por agentes mais modernos, às vezes usados pela polícia em protestos, conhecidos como CN e CS, que também são proibidos pela convenção.

Uso de armas químicas

De acordo com o capitão Dmytro Serhiyenko, assistente do comandante do Centro Analítico das Forças de Suporte do Exército Ucraniano, que analisa o uso de armas químicas na linha de frente, todos os três agentes são usados pelos russos no campo de batalha. Embora sua equipe tenha registrado principalmente o uso de CN e CS na área que monitoram, também encontraram duas granadas contendo cloropicrina em posições russas abandonadas.

Os ucranianos vêm rastreando o uso de armas químicas na linha de frente desde fevereiro de 2023, e o número de incidentes confirmados tem aumentado constantemente. Em 3 de maio, as Forças de Suporte confirmaram 1.891 ataques desde que começaram a coletar dados, 444 deles em abril, um aumento de 71 incidentes confirmados em relação ao mês anterior. Esses números não são completos, pois muitas vezes não é possível chegar ao local onde um gás foi usado para coletar uma amostra ou entrevistar soldados devido à intensidade dos combates.

Stanislav Horozheyev, um médico de combate da 12ª Brigada de Propósito Especial Azov, disse ao WSJ, que ele e outros foram expostos a essa tática em agosto do ano passado durante uma rotação em uma trincheira na linha de frente. A rotação deveria ser feita em segredo, mas os russos descobriram e bombardearam as posições. Em seguida, dispararam um projétil de morteiro com o gás. Horozheyev disse que tiveram sorte porque o morteiro não caiu diretamente em seu abrigo, mas ainda sentiram o efeito: dificuldade para respirar, pele ardendo, olhos lacrimejando. "Quando você está nessa posição, sente-se como um inseto encurralado, sendo expulso com fumaça", afirmou.

Acompanhe tudo sobre:GuerrasRússiaUcrânia

Mais de Mundo

EUA anuncia que vai priorizar entregas de sistemas de defesa aérea Patriot para a Ucrânia

Putin ganha cães de Kim Jong-un durante visita à Coreia do Norte; veja fotos

Ozempic e Wegovy "acabam" com canetas de insulina na África do Sul; entenda

Investimento estrangeiro cai 10% no Brasil em 2023, aponta relatório da ONU

Mais na Exame