EUA anuncia exercícios aéreos militares na Guiana em meio à tensão com Venezuela

Países têm parceria militar desde 2022 e seus aviões militares estão programados para exercícios nesta quinta-feira

Essequibo: Guiana e Venezuela disputam território com riquezas naturais (PATRICK FORT/Getty Images)

Essequibo: Guiana e Venezuela disputam território com riquezas naturais (PATRICK FORT/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 7 de dezembro de 2023 às 12h52.

Última atualização em 7 de dezembro de 2023 às 12h55.

Os Estados Unidos farão exercícios aéreos militares na Guiana, em meio às tensões entre Georgetown e Caracas por uma disputa territorial e após o desaparecimento de um helicóptero guianense na fronteira com a Venezuela, anunciou a embaixada americana nesta quinta-feira.

— Hoje o secretário de Estado Antony Blinken conversou com o presidente Mohame sobre o nosso apoio à soberania da Guiana e a nossa sólida cooperação econômica e de segurança. Esperamos continuar a nossa forte parceria assim que a Guiana aderir ao Conselho de Segurança em 2024 — disse o porta-voz americano Matthew Miller.

Além deste exercício, os Estados Unidos afirmaram que continuarão com a colaboração com o governo da Guiana nas áreas de preparação para desastres, segurança aérea e marítima e combate às organizações criminosas transnacionais.

"Os EUA continuarão o seu compromisso como parceiro de segurança confiável da Guiana e na promoção da cooperação regional e da interoperabilidade", afirmou a embaixada norte americana.

Reforço brasileiro

O Exército brasileiro enviou 28 blindados para Pacaraima, em Roraima, em meio à tensão na fronteira devido à disputa entre Venezuela e Guiana pela região de Essequibo, rica em petróleo. A expectativa é que a situação não se agrave, mas a instituição se prepara para reforçar a presença no local.

De acordo com o ministro da Defesa, José Mucio, o deslocamento das unidades já "estava planejado" para dar apoio a operações de "combate ao garimpo ilegal", mas as unidades blindadas também poderão ser usadas para garantir a segurança na região.

A lista de blindados inclui 16 unidades do modelo Guaicuru (viaturas blindadas multitarefa 4x4), seis Guaranis (viatura blindada de transporte de pessoal, anfíbia e com capacidade para transportar até 11 militares), e seis Cascavel (blindado que possui como armamento principal um canhão 90 mm e como armamento secundário duas metralhadoras 7,62 mm, sendo uma antiaérea e outra coaxial ao canhão, além de seis lança-fumígenos).

Os equipamentos sairão de unidades no Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul, onde ficam armazenados, segundo o Estadão. O tempo de transporte deve ser 20 dias até Boa Vista, segundo as Forças Armadas.

Ampliação do efetivo

Recentemente, o Exército brasileiro aumentou para 130 o efetivo para patrulhamento na fronteira com a Venezuela. O Pelotão Especial de Fronteira de Pacaraima, em Roraima, que normalmente opera com 70 homens, ganhou o reforço de mais 60 militares na semana passada.

A ampliação do efetivo faz parte da ativação do 18º Regimento de Cavalaria Mecanizado (18° R C Mec) com sede em Boa Vista, Roraima, a partir da transformação do 12º Esquadrão de Cavalaria Mecanizado (12° Esqd C Mec).

Acompanhe tudo sobre:VenezuelaGuiana

Mais de Mundo

Ordem judicial retira da oposição venezuelana o controle de um de seus maiores partidos

Equador captura líder criminoso foragido que ameaçou procuradora-geral

Polônia indica que poderia abrigar armas nucleares de outros membros da Otan para conter Rússia

Após prisões em Columbia, protestos contra a guerra em Gaza se espalham por universidades dos EUA

Mais na Exame