Empresa americana adia lançamento de foguete com missão de pousar na Lua

A decolagem estava prevista para 0h57 de quarta-feira na Flórida (2h57 de Brasília), mas a Nasa adiou após detectar "temperaturas de metano fora do normal"

 (AFP/AFP Photo)
(AFP/AFP Photo)
AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 14 de fevereiro de 2024 às 07h16.

Uma empresa americana adiou para quinta-feira, 15, o lançamento de um foguete com a missão de pousar na Lua, a segunda tentativa neste ano de um grupo privado de levar uma sonda até o satélite da Terra.

A decolagem estava prevista para 0h57 de quarta-feira na Flórida (2h57 de Brasília), mas a Nasa (Agência Espacial dos Estados Unidos) anunciou o adiamento depois de detectar "temperaturas de metano fora do normal antes de introduzir a carga de metano".

"Está programado para 1H05 (3H05 de Brasília) de quinta-feira", acrescentou a agência espacial americana na rede social X.

A missão IM-1 pretende enviar um módulo de pouso de mais de quatro metros de altura desenvolvido pela empresa Intuitive Machines, com sede no Texas e fundada em 2013.

O aparelho deve decolar em um foguete SpaceX Falcon 9 do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, sudeste dos Estados Unidos.

Pouco depois da decolagem, o módulo de pouso deve se separar do estágio superior do foguete e receber energia. Em seguida deve estabelecer comunicação com a sala de controle da Intuitive Machines, localizada em Houston, Texas.

"Este é um momento crucial para a exploração espacial, no qual as empresas privadas desempenham um papel cada vez mais vital", afirmou a Intuitive Machines.

Esta é a primeira tentativa de missão lunar da empresa, mas a segunda no âmbito do novo programa CLPS da Nasa, que contratou empresas privadas para transportar equipamento científicos até o satélite natural, com o objetivo de preparar o retorno dos astronautas à Lua.

Em janeiro, a empresa Astrobotic não conseguiu chegar à Lua devido a um vazamento de combustível e seu módulo de pouso teve que ser destruído deliberadamente em pleno voo.

A Nasa assume o risco de fracasso das missões atribuídas a empresas jovens e destaca que tem consciência de que nem todas terão sucesso.

Acompanhe tudo sobre:EspaçonavesLuaSatélites

Mais de Mundo

UE garante continuidade da ajuda à Ucrânia, mas não se compromete

Detroit vai de falida à liderança do boom imobiliário nos EUA

Novas regras entram em vigor para obtenção da cidadania portuguesa

Mais de 110 pessoas são sequestradas por supostos jihadistas no Mali

Mais na Exame