Mundo

Egito mantém prisão perpétua de ex-presidente Mohamed Mursi

De acordo com o jornal Egypt Independent, a sentença, que é definitiva, confirma uma condenação à prisão perpétua - de 25 anos no Egito

Mohamed Mursi, ex-presidente do Egito (Alberto Pizzoli/AFP/AFP)

Mohamed Mursi, ex-presidente do Egito (Alberto Pizzoli/AFP/AFP)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 16 de setembro de 2017 às 16h08.

São Paulo - O Supremo Tribunal do Cairo optou por manter a sentença de condenação perpétua contra o ex-presidente islamita do Egito Mohamed Mursi e outras seis autoridades, acusados de espionagem com o Catar.

De acordo com o jornal Egypt Independent, a sentença, que é definitiva, confirma uma condenação à prisão perpétua - de 25 anos no Egito - feita em 2016 contra Mursi por ter comandado uma "organização ilegal", disse seu advogado, Abdel Moneim Abdel Maqsud.

Morsi e outros dez acusados no processo foram encaminhados ao tribunal em setembro de 2014, acusados de obter informações secretas da inteligência nacional e compartilhar com o Catar e com a rede de notícias Al Jazeera, que as autoridades egípcias consideram ser uma extensão da política externa do Catar.

O Catar foi um dos principais defensores de Mursi e do movimento da Irmandade Muçulmana, enquanto ele estava no poder entre 2012 e julho de 2013, até que o exército o derrubou e o deteve. Morsi já foi condenado à morte, prisão perpétua e 20 anos de prisão em três julgamentos separados. (Equipe AE)

Acompanhe tudo sobre:CairoEgitoMohamed Mursi

Mais de Mundo

"Portugal deve pagar pela escravidão", diz presidente do país

Senado dos EUA aprova pacote de ajuda de US$ 95 bi para Ucrânia, Israel e Taiwan

Maduro anuncia reabertura de escritório de Direitos Humanos da ONU na Venezuela

Suprema Corte dos EUA analisa se Trump dispõe de imunidade presidencial

Mais na Exame