Mundo

Egito diz que reivindicação do EI sobre avião é propaganda

O presidente egípcio reiterou afirmação de que a causa do acidente só poderá ser conhecida daqui uns meses e que até então elas não devem ser especuladas


	Destroços do avião russo no Egito: logo a após a queda, o Estado Islâmico anunciou em seu twitter que o grupo havia derrubado o avião para vingar os bombardeios russos
 (REUTERS/Stringer)

Destroços do avião russo no Egito: logo a após a queda, o Estado Islâmico anunciou em seu twitter que o grupo havia derrubado o avião para vingar os bombardeios russos (REUTERS/Stringer)

DR

Da Redação

Publicado em 3 de novembro de 2015 às 09h17.

Cairo - O presidente do Egito, Abdel-Fattah el-Sissi, disse nesta terça-feira que a segurança na Península do Sinai está sob total controle e que as alegações por parte do Estado Islâmico, ao afirmar que o grupo foi o responsável por derrubar o avião russo, fazem parte de uma propaganda que visa danificar a imagem do país e "fortalecer" os militantes.

Em uma entrevista à BBC, el-Sissi também reiterou sua afirmação de que a causa do acidente só poderá ser conhecida daqui uns meses e que até então elas não devem ser especuladas.

Logo a após a queda da aeronave da companhia Metrojet, que voava do balneário egípcio de Sharm el Sheikh para a Rússia com 224 pessoas a bordo, o Estado Islâmico anunciou em seu twitter que o grupo havia derrubado o avião para vingar os bombardeios russos contra seus militantes, em apoio ao presidente sírio Bashar al-Assad.

No entanto, o grupo não forneceu qualquer evidência que comprove sua alegação e os militantes no norte do Sinai não possuem equipamentos para abater aviões comerciais ou Jatos de guerra.

Tanto o Cairo quanto Moscou descartam a reivindicação do braço do Estado Islâmico no Sinai. Já a companhia aérea disse que o Airbus 321 caiu devido a fatores "externos" e que a desintegração da aeronave no ar não aconteceu por "nenhuma falha técnica ou erro de pilotagem".

Acompanhe tudo sobre:acidentes-de-aviaoÁfricaÁsiaEgitoEstado IslâmicoEuropaRússia

Mais de Mundo

Primeira viagem de Milei à Espanha como presidente não terá honras militares e coletiva de imprensa

Suprema Corte dos EUA confirma proibição de posse de armas a agressores domésticos

Tribunal impõe penas de prisão à família mais rica do Reino Unido por exploração de funcionários

Dez prefeitos da oposição na Venezuela são inabilitados por 15 anos após apoio a Edmundo González

Mais na Exame