Mundo

Egito anistia e liberta jornalistas da Al-Jazeera

Os dois jornalistas da cadeia de televisão catariana Al-Jazeera foram libertados poucas horas depois e expressaram seu desejo de reencontrar suas famílias


	Jornalistas da Al Jazeera: a cadeia de televisão comemorou a libertação em um comunicado dizendo estar "muito feliz por eles e por suas famílias"
 (Brendan McDermid/Reuters)

Jornalistas da Al Jazeera: a cadeia de televisão comemorou a libertação em um comunicado dizendo estar "muito feliz por eles e por suas famílias" (Brendan McDermid/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 23 de setembro de 2015 às 14h31.

O presidente egípcio, Abdel Fatah al-Sissi, anistiou nesta quarta-feira os jornalistas canadense Mohamed Fahmy e o egípcio Baher Mohamed, presos após serem acusados de apoiar a Irmandade Muçulmana, em um caso que provocou grande comoção no exterior.

Os dois jornalistas da cadeia de televisão catariana Al-Jazeera foram libertados poucas horas depois e expressaram seu desejo de reencontrar suas famílias o mais rápido possível.

A Al-Jazeera comemorou a libertação em um comunicado dizendo estar "muito feliz por eles e por suas famílias".

Esta decisão ocorre poucas horas antes do embarque do presidente Sissi, muito criticado por ONGs de defesa dos direitos Humanas, para Nova York, onde participará da Assembleia Geral da ONU.

Fahmy e Mohamed haviam sido condenados no final de agosto a três anos de prisão, junto ao australiano Peter Greste, por "difundir informações falsas" e trabalhar sem autorização.

Também foram acusados de apoiar a Irmandade Muçulmana, a organização do presidente islamita Mohamed Mursi, derrubado em 2013 por um golpe de Estado liderado por Sissi, então chefe do Exército.

Fahmy e Mohamed foram detidos depois da publicação do veredicto e Greste foi condenado à revelia depois de ter sido expulso do Egito em fevereiro.

Fahmy, que possui nacionalidade canadense, renunciou a sua cidadania egípcia para poder ser expulso como seu colega australiano

O indulto, que incluiu uma centena de presos, acontece na véspera da Aid al Adha, a grande festa muçulmana do sacrifício.

As condenações dos jornalistas provocaram forte tensão entre o Cairo e Doha, mas também uma saraivada de críticas da comunidade internacional, incluindo da parte de Washington e da ONU.

Em um primeiro julgamento, em junho de 2014, Fahmy e Greste haviam sido condenados a sete anos de prisão e Mohamed a dez anos. Mas o Tribunal de Cassação anulou as condenações dos jornalistas, ordenando um novo julgamento.

Na abertura do novo julgamento em fevereiro, Mohamed e Fahmy foram colocados em liberdade condicional depois de mais de 400 dias de detenção.

Além do caso dos jornalistas, muitas ONGs criticaram a implacável repressão conduzida pelo regime de Sissi contra toda oposição, em particular a islâmica.

Desde a destituição de Mursi, em 3 de julho de 2013, as autoridades lançaram uma campanha de repressão contra seus partidários - matando centenas e prendendo milhares - estendendo à oposição laica e de esquerda.

Entre as outras pessoas indultadas, figuram duas mulheres, Yara Sallam e Sanaa Seif, que foram condenadas a dois anos de prisão em 2014 por participar em um protesto contra uma lei que limitava o dirito de manifestação.

Nenhuma lista oficial de pessoas indultadas foi divulgada e não está claro se outros ativistas fazem parte dela, como o militante de esquerda Alaa Abdel Fattah, um dos líderes da revolta que derrubou o presidente Hosni Mubarak em 2011, e que foi preso em 2013 durante uma manifestação.

Acompanhe tudo sobre:ÁfricaAl JazeeraEgitoEmpresasPrisões

Mais de Mundo

Foto inédita de William com os filhos, tirada por Kate, é publicada para celebrar Dia dos Pais

Exército israelense anuncia pausa diária nas operações em uma região de Gaza

Cúpula pela paz na Suíça reafirma integridade da Ucrânia, mas pede negociações com a Rússia

Brasil é 3º país mais inseguro da América do Sul, diz Global Peace Index

Mais na Exame