Acompanhe:

A cotação do dólar blue, valor informal que serve de referência para transações no dia a dia na Argentina, superou o patamar de 1.000 pesos pela primeira vez, após declarações polêmicas de Javier Milei, candidato que lidera as pesquisas e pode se tornar o novo presidente do país.

Por volta das 14h, a moeda argentina era negociada a 1.040 pesos no mercado informal, 95 pesos acima do fechamento na segunda, 9. O peso tem sofrido um processo de forte desvalorização nas últimas semanas. Em agosto, por exemplo, o dólar blue era cotado por cerca de 600 pesos.

Em meio à alta no câmbio paralelo, o governo argentino aumentou os impostos sobre a compra de dólar em algumas categorias. Com isso, os dólares na categoria solidário (geralmente usado para poupança) tarjeta (para compras no cartão de crédito, como assinatura de streamings) e Qatar (para viagens ao exterior) passam a ter o mesmo valor. Nesta terça, a cotação dessas categorias era de 731 dólares por peso.

A corrida por dólares se acirrou nesta semana, depois do segundo debate presidencial na Argentina, no domingo, 8, e de declarações de Milei em uma entrevista. Na segunda, 9, em entrevista a uma rádio, o candidato voltou a atacar o peso. "Jamais em pesos, o peso é uma moeda que não vale nem como esterco, esses lixos não valem nem como adubo", afirmou.

Na semana passada, Milei disse que "quanto mais alto estiver o dólar, mais fácil é dolarizar". O candidato defende acabar com o peso e usar o dólar como moeda oficial da Argentina. No entanto, economistas alertam que essa medida deixaria o governo com menos opções para lidar com a inflação e com crises econômicas, e que para dolarizar um país, é preciso ter uma enorme quantidade de moeda americana. A Argentina tem escassez de dólares e enfrenta dificuldades para honrar compromissos externos. Milei tem dito que conseguiria obter a soma necessária para a dolarização, mas não detalhou como faria.

O Banco Central argentino disse que o sistema financeiro argentino está sólido e solvente. Em agosto, o BC do país desvalorizou o peso, e desde então mantém uma taxa fixa, de 365,50 dólares por peso, mas para obter a moeda americana por essa cotação é preciso atender a uma série de condições, que na prática fazem com que poucos argentinos consigam obter a moeda americana por esse valor.

Eleições na Argentina

O primeiro turno da eleição presidencial na Argentina será realizado em 22 de outubro. Segundo um compilado das últimas pesquisas divulgadas entre o fim de agosto e 1º de outubro, elaborado pelo jornal "El País", Milei tem atualmente 35,3% dos votos, ante 30% de Sergio Massa, candidato governista e de esquerda, e 25,9% de Patrícia Bullrich, de centro-direita e ligada ao ex-presidente Mauricio Macri (2015-19). 

Se os percentuais se mantiverem, haverá segundo turno entre Milei e Massa, a ser disputado em 19 de novembro. No domingo, 8, houve o segundo e último debate entre os candidatos, marcado por uma série de ataques entre eles.

Javier Milei, candidato à Presidência da Argentina, durante debate (Tomas Cuesta/Getty Images)

Como começaram os controles sobre o dólar na Argentina

A relação da Argentina com o dólar é complexa, embora por uma razão simples: há grande procura pela moeda americana, mas ela está em falta. Para lidar com o problema, o governo adotou uma série de regras para dificultar o acesso aos dólares ao longo dos anos, que deram origem a um sistema complicado e a um forte mercado paralelo.

O modelo atual de controle cambiário, apelidado de "cepo", foi criado em 2011, no governo de Cristina Kirchner, para dificultar o acesso aos dólares, com o objetivo de tentar frear a desvalorização do peso. Com isso, empresas que precisam da moeda estrangeira, para pagar importações ou empréstimos ou remeter lucros ao exterior, por exemplo, dependem de aprovação de um órgão estatal, a Afip.

No entanto, com a dificuldade de acesso, ganhou força o mercado paralelo, apelidado de "dólar blue". Embora operado de maneira irregular, a cotação do blue é divulgada com destaque. Seu valor serve como termômetro da economia argentina e referência para transações do dia a dia. É comum que argentinos comprem dólares no mercado paralelo para fazer poupança, por exemplo.

Em 2015, o governo de Mauricio Macri acabou com os controles para acesso aos dólares. Isso fez que o peso tivesse queda de 40% na cotação em 24 horas e a procura pela moeda americana disparasse. Nos anos seguintes, o peso desvalorizou muito: passou de cerca de 9 pesos por dólar em 2015 para mais de 60 pesos em 2019.

Dada a queda forte do peso, o governo Macri, perto da eleição de 2019, voltou a colocar limites para a compra de dólares em 2019. Primeiro, estabeleceu um limite de US$ 10 mil mensais por pessoa, que logo foram reduzidos para US$ 200.

O aperto realizado por Macri, que perdeu a reeleição, fez com que a distância entre a cotação oficial e paralela ganhasse mais força. Eleito em 2019, o presidente Alberto Fernández, manteve as restrições e foi acrescentando outras, como um imposto de 30% sobre as compras de dólar. Ao mesmo tempo, foram sendo criados novos tipos de câmbio, que somam mais de 12, como dólar soja, Netflix e Vaca Muerta.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Com relação entre Brasil e Argentina esfriada, Milei envia novo embaixador a Brasília
Mundo

Com relação entre Brasil e Argentina esfriada, Milei envia novo embaixador a Brasília

Há 12 horas

Governo da Argentina leva adiante plano de fechar agência de notícias pública 'Télam'
Mundo

Governo da Argentina leva adiante plano de fechar agência de notícias pública 'Télam'

Há 14 horas

Dólar hoje: fechou em queda em semana de discurso no Fed
seloMercados

Dólar hoje: fechou em queda em semana de discurso no Fed

Há 18 horas

Milei anuncia novo pacote de leis ‘anticasta’, fecha Telám e restringe voos de políticos
Mundo

Milei anuncia novo pacote de leis ‘anticasta’, fecha Telám e restringe voos de políticos

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais