Mundo

Diretor de agência promete medidas contra desaparecimentos

O diretor-geral da Associação de Transporte Aéreo Internacional prometeu medidas para evitar que desaparecimentos como o do voo MH370 ocorram novamente


	Aeronave busca o avião desaparecido da Malaysia Airlines: Tony Tyler disse que "é incrível que um avião possa simplesmente desaparecer"
 (REUTERS/Australian Defence Force/Handout)

Aeronave busca o avião desaparecido da Malaysia Airlines: Tony Tyler disse que "é incrível que um avião possa simplesmente desaparecer" (REUTERS/Australian Defence Force/Handout)

DR

Da Redação

Publicado em 1 de abril de 2014 às 08h47.

Kuala Lumpur - O diretor-geral da Associação de Transporte Aéreo Internacional (Iata, por sua sigla em inglês),Tony Tyler, afirmou nesta terça-feira que "é incrível que um avião possa simplesmente desaparecer", em referência ao Boeing 777 da Malaysia Airlines, e prometeu medidas para evitar que isto ocorra novamente.

Em uma conferência em Kuala Lumpur, capital da Malásia, Tyler anunciou que um grupo de especialistas estudará a criação de um novo sistema de localização e acompanhamento de aviões para evitar desaparições como a do voo malaio, que continua envolto em mistério.

"Em um mundo onde cada movimento parece que é monitorado, é incrível que um avião possa simplesmente desaparecer e que seja tão difícil recuperar a caixa-preta. Não podemos deixar que outro voo simplesmente desapareça", disse o diretor da Iata.

Tyler afirmou que o grupo de especialistas estudará informação de mais de 600 fontes e que chegará a uma conclusão no final do ano.

O diretor da Iata disse ainda que é necessário um consenso na forma como a indústria e os governos monitoram voos comerciais, e no uso da informação sobre os passageiros que as companhias aéreas entregam para as autoridades.

O diretor pediu que os governos "revisem" os procedimentos de uso de informações, como a base de dados de passaportes roubados da Interpol, e que a digitalização substitua totalmente os papéis na troca de dados das companhias aéreas e dos Estados.


O avião da Malaysia Airlines, com 239 pessoas a bordo, decolou de Kuala Lumpur rumo a Pequim na madrugada de 8 de março e desapareceu dos radares civis da Malásia 50 minutos após decolar.

Entre os passageiros havia dois iranianos que viajavam com passaportes roubados e que passaram despercebidos pela segurança do aeroporto.

Cerca de 20 embarcações buscam os destroços do avião há mais de uma semana em uma ampla área no oceano Índico, a mil quilômetros ao oeste do litoral ocidental da Austrália.

As caixas-pretas ajudariam a explicar o mistério do desaparecimento do voo MH370, que mudou de rumo deliberadamente rumo ao oceano Índico, segundo dados dos satélites.

Segundo a Iata, em 2013 houve cerca de 29 milhões de voos comerciais com 12 acidentes de importância, o que significa um acidente a cada 2,4 milhões de voos e uma melhoria de 14,6% em relação ao ano anterior.

"Os acidentes são raros, mas a busca do MH370 é uma lembrança de que nunca podemos ser complacentes em temas de segurança", afirmou o diretor-geral da Iata.

"Pode passar um longo tempo até que saibamos o que se passou exatamente com esse voo. Mas está já claro que não devemos deixar que ocorra outra vez", acrescentou Tyler.

Acompanhe tudo sobre:acidentes-de-aviaoBoeing 777Malaysia AirlinesVoo MH370

Mais de Mundo

Bandeira invertida coloca Suprema Corte dos EUA em apuros

Primeiro-ministro eslovaco passa por nova cirurgia e segue em estado grave

Vaticano alerta contra episódios imaginários relacionados a milagres e aparições

Governo Biden quer reclassificar maconha como droga de menor risco

Mais na Exame