Acompanhe:

Coreia do Sul, Japão e EUA condenam fornecimento de armas norte-coreanas à Rússia

Durante a sua visita à Rússia em setembro, Kim declarou que as relações bilaterais com Moscou eram a "prioridade número 1" do seu país

Modo escuro

Continua após a publicidade
A Rússia e a Coreia do Norte, aliados históricos, têm uma série de sanções globais: Moscou, pela invasão da Ucrânia; Pyongyang, pelos testes de armas nucleares (AFP/AFP)

A Rússia e a Coreia do Norte, aliados históricos, têm uma série de sanções globais: Moscou, pela invasão da Ucrânia; Pyongyang, pelos testes de armas nucleares (AFP/AFP)

Coreia do Sul, Japão e Estados Unidos "condenam energicamente" o fornecimento de armas da Coreia do Norte a Moscou, afirmaram os aliados em uma declaração conjunta nesta quinta-feira, 26, observando que Pyongyang fez "várias" entregas desse tipo.

A Rússia e a Coreia do Norte, aliados históricos, têm uma série de sanções globais: Moscou, pela invasão da Ucrânia; Pyongyang, pelos testes de armas nucleares.

Os líderes de ambos os países, Kim Jong Un e Vladimir Putin, participaram em uma cúpula de alto nível no extremo leste da Rússia em setembro, alimentando os receios ocidentais de que Pyongyang forneceria a Moscou armas para a sua guerra na Ucrânia.

Washington e os seus principais aliados de segurança do leste asiático, Seul e Tóquio, afirmaram que "condenam energicamente o fornecimento de equipamento militar e munições pela República Popular Democrática da Coreia (RPDC) à Federação Russa para uso contra o governo e o povo da Ucrânia".

"Essas entregas de armas, muitas das quais confirmamos agora terem sido concluídas, aumentarão significativamente o custo humano da guerra de agressão da Rússia."

Durante a sua visita à Rússia em setembro, Kim declarou que as relações bilaterais com Moscou eram a "prioridade número 1" do seu país.

Washington e especialistas dizem que Pyongyang busca assistência militar em troca, como tecnologia de satélite e modernização do seu equipamento militar da era soviética.

A Coreia do Norte, que possui armas nucleares, falhou duas vezes este ano na sua tentativa de colocar em órbita um satélite espião militar.

Declaração conjunta

A declaração conjunta desta quinta-feira também afirma que Pyongyang estava "procurando assistência militar para melhorar suas próprias capacidades militares" em troca do "seu apoio à Rússia".

"Enfatizamos que as transferências de armas de ou para a RPDC violariam múltiplas resoluções do Conselho de Segurança da ONU", afirmou o comunicado.

"A própria Rússia votou a favor das resoluções do Conselho de Segurança da ONU que contêm estas restrições", disse, acrescentando que os aliados estavam "profundamente preocupados" com a "probabilidade potencial de qualquer transferência de tecnologia nuclear ou relacionada com mísseis balísticos" para o Norte.

Em agosto, os líderes de Tóquio, Seul e Washington reuniram-se em uma cúpula em Camp David e concordaram com um plano plurianual para exercícios conjuntos regulares e partilha de dados em tempo real sobre a Coreia do Norte.

O líder de Pyongyang, Kim, descreve a crescente aliança de defesa como "a pior ameaça real" que o seu país isolado enfrenta.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Nos EUA, Biden xinga Putin e ataca Trump durante evento de campanha na Califórnia
Mundo

Nos EUA, Biden xinga Putin e ataca Trump durante evento de campanha na Califórnia

Há 3 horas

'Falso Turista': por que brasileiros estão sendo barrados nos aeroportos da Argentina?
Mundo

'Falso Turista': por que brasileiros estão sendo barrados nos aeroportos da Argentina?

Há 4 horas

Vazamento mostra que empresa chinesa hackeou governos estrangeiros
Mundo

Vazamento mostra que empresa chinesa hackeou governos estrangeiros

Há 5 horas

Ortega justifica destituição da nacionalidade nicaraguense de opositores
Mundo

Ortega justifica destituição da nacionalidade nicaraguense de opositores

Há 5 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais