Chile proíbe entrada de mais de 100 venezuelanos ligados a Maduro

A expectativa é de que até 2020, 300 mil venezuelanos entrem no Chile

O presidente chileno, Sebastián Piñera, anunciou nesta sexta-feira (5) que proibirá o ingresso no Chile de mais de 100 venezuelanos ligados ao governo de Nicolás Maduro, um dia depois de divulgado o relatório da ONU sobre a situação dos direitos humanos na Venezuela.

Com base no duro informe sobre Venezuela apresentado em Genebra pela alta comissária da ONU para os Direitos Humanos e ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet,Piñera anunciou três medidas para enfrentar a crise venezuelana.

“Vamos proibir o ingresso no Chile de mais de 100 pessoas que estão diretamente ligadas à ditadura da Venezuela. São pessoas que são parte do governo venezuelano”, disse Piñera, em entrevista coletiva.

Piñera também anunciou que pedirá a Bachelet que entregue “todos os antecedentes e provas que sustentam o relatório ao Tribunal Penal Internacional” e que peça ao Conselho de Direitos Humanos da ONU a “ficar vigilante no tema dos direitos humanos na Venezuela”.

O informe da ONU relata o assassinato de milhares de pessoas por parte das forças de segurança e afirma que o exercício das liberdades e dos direitos fundamentais, como a liberdade de expressão no país sul-americano, são “um risco de represálias e de repressão”.

“É um relatório necessário e útil para poder avançar frente aos graves e trágicos problemas que afetam a Venezuela”, afirmou Piñera.

O presidente chileno foi um dos mais duros críticos do governo de Maduro, pedindo-lhe que “ponha fim à ditadura” e convoque novas eleições no menor tempo possível. Também reconheceu o líder parlamentar de oposição Juan Guaidó como legítimo presidente da Venezuela.

Com cerca de 400.000 pessoas chegadas nos últimos anos fugindo da grave crise na Venezuela, o Chile é o terceiro maior receptor de venezuelanos na região, atrás de Colômbia e Peru. A comunidade se tornou a maior colônia estrangeira no país, representando 30% da população imigrante.

O governo chileno estima que, até 2020, devem entrar outros 300.000 venezuelanos no país, pondo as autoridades em alerta diante das complicações que esse êxodo em massa pode causar internamente.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.