Chanceleres de EUA e China se reúnem em meio a tensões por Taiwan

Blinken e Yi apertaram as mãos e trocaram cumprimentos diante das câmeras, antes de iniciarem sua reunião à margem da Assembleia Geral anual da ONU
Este é seu primeiro encontro desde julho passado, em Bali, quando se mostraram dispostos a retomar o diálogo bilateral (DEE DELGADO/Getty Images)
Este é seu primeiro encontro desde julho passado, em Bali, quando se mostraram dispostos a retomar o diálogo bilateral (DEE DELGADO/Getty Images)
A
AFP

Publicado em 23/09/2022 às 16:41.

Última atualização em 23/09/2022 às 16:49.

Os chefes da diplomacia de Estados Unidos e China, Antony Blinken e Wang Yi, respectivamente, reuniram-se nesta sexta-feira, 23, em Nova York, em meio a tensões bilaterais sobre Taiwan. 

Blinken e Yi apertaram as mãos e trocaram cumprimentos diante das câmeras, antes de iniciarem sua reunião à margem da Assembleia Geral anual da ONU.

Segundo o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, o secretário Antony Blinken "enfatizou que preservar a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan é fundamental para a segurança e a prosperidade regional e mundial".

Este é seu primeiro encontro desde julho passado, em Bali, quando se mostraram dispostos a retomar o diálogo bilateral.

Um mês depois, a presidente da Câmara de Representantes (Deputados) dos EUA, a democrata Nancy Pelosi, viajou para Taiwan, provocando a ira de Pequim e renovando as tensões entre as duas grandes potências.

Em uma entrevista no domingo, 18, o presidente americano, Joe Biden, disse estar pronto para intervir militarmente, caso Pequim ataque Taiwan.

Ontem, 22, o chanceler chinês disse que se encontrou em Nova York com o enviado americano do clima, o ex-secretário de Estado John Kerry, embora Pequim tenha suspendido a cooperação com Washington nesta matéria, em retaliação à visita de Pelosi a Taiwan.

Pouco antes de seu encontro com Wang Yi, Blinken se reuniu com seus colegas do Quad, grupo formado por Austrália, Japão e Índia e que a China acredita ter sido criado para isolá-la.

"Nossos quatro países conhecem muito bem os importantes desafios que enfrentam (...) e isso exige que trabalhemos juntos mais do que nunca", disse Blinken naquela ocasião.

Em um discurso na quinta-feira, Wang expressou novamente a profunda raiva de Pequim pelo apoio dos EUA à ilha de Taiwan.

"A questão de Taiwan está-se tornando o ponto de tensão mais arriscado nas relações EUA-China", disse ele.

"Se mal administrada, pode devastar as relações bilaterais", alertou, em conferência no think tank Asia Society. "Assim como os Estados Unidos não permitem a saída do Havaí, a China tem o direito de defender a unificação do país", acrescentou.

Wang declarou ainda que ambos os países querem que o relacionamento bilateral "funcione" sem confronto e observou que Washington está jogando em várias frentes ao mesmo tempo.

As conversas desta sexta-feira podem estabelecer uma possível primeira reunião entre Biden e seu colega chinês, Xi Jinping, provavelmente em novembro, em Bali, à margem de uma cúpula do G20.

O Congresso americano é um forte defensor do aprofundamento dos laços com Taiwan. Um projeto de lei que contempla a primeira ajuda militar direta dos Estados Unidos à ilha asiática superou, recentemente, uma etapa fundamental no Senado.

Veja também: 

Chefe do Banco Mundial diz que não renunciará após ser acusado de negacionista da mudança climática

Kirchner assume própria defesa em processo de corrupção na Argentina