Mundo

Catar entrega ao Kuwait resposta para Arábia Saudita e aliados

Documento de resposta oficial aponta a decisão do Catar em relação à lista de exigências da Arábia Saudita e seus aliados para resolver a crise regional

Catar havia rejeitado de forma implícita a lista de exigências de seus adversários árabes (Hamad I Mohammed/Reuters)

Catar havia rejeitado de forma implícita a lista de exigências de seus adversários árabes (Hamad I Mohammed/Reuters)

A

AFP

Publicado em 3 de julho de 2017 às 09h30.

O Catar, isolado pelos vizinhos por seu suposto apoio aos extremistas islâmicos e sua aproximação com o Irã, entregou nesta segunda-feira ao Kuwait sua resposta oficial à lista de 13 exigências formuladas pela Arábia Saudita e seus aliados para resolver a crise regional.

A resposta foi entregue ao emir do Kuwait, xeque Sabah al-Ahmad Al-Sabah, pelo ministro das Relações Exteriores do Catar, xeque Mohamed bin Abdulrahman Al-Thani, que faz uma curta visita ao Kuwait. Este país atua como mediador na crise diplomática da região.

Por esta razão, a Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito aceitaram prolongar por 48 horas o ultimato de dez dias, que expirou a meia-noite.

Na quarta-feira, os ministros das Relações Exteriores dos quatro países se reunirão no Cairo para discutir e decidir os "mecanismos a serem adotados posteriormente", segundo as autoridades egípcias.

Doha havia rejeitado de forma implícita a lista de exigências de seus adversários árabes - exigindo entre outras coisas o fechamento do canal de televisão Al Jazeera, a redução das relações com Teerã e o fechamento de uma base militar turca - ao considerar que atentam contra sua soberania nacional.

"A lista de pedidos foi feita para ser rejeitada", declarou o ministro das Relações Exteriores do Catar, Mohamed ben Abderrahman al Thani, no sábado em Roma.

O presidente americano Donald Trump, que já criticou o Catar, reiterou no domingo "a importância de deter o financiamento do terrorismo", objetivo que considera "primordial", e de "desacreditar a ideologia extremista", após conversas por telefone em separado com o rei da Arábia Saudita, o príncipe herdeiro dos Emirados e com o emir do Catar, segundo um comunicado da Casa Branca.

Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Egito romperam em 5 de junho suas relações diplomáticas com o Catar, acusando o país de apoiar "o terrorismo" e de se aproximar do Irã, rival de Riad.

Doha nega essas acusações e afirma que ninguém tem direito a ditar sua política exterior.

"Todo mundo é consciente de que esses pedidos aspiram a usurpar a soberania do Estado do Catar", afirmou Al Thani na capital italiana.

Na disputa iniciada no mês passado, os rivais do país desejam que Doha acate o consenso regional sobre questões delicadas como o apoio aos islamitas e as relações com o Irã.

O pequeno emirado, rico em gás e com grandes ambições, sempre foi independente em sua política externa, apesar de integrar o Conselho de Cooperação do Golfo (CCG).

Acompanhe tudo sobre:Al JazeeraArábia SauditaCatar

Mais de Mundo

Primeira viagem de Milei à Espanha como presidente não terá honras militares e coletiva de imprensa

Suprema Corte dos EUA confirma proibição de posse de armas a agressores domésticos

Tribunal impõe penas de prisão à família mais rica do Reino Unido por exploração de funcionários

Dez prefeitos da oposição na Venezuela são inabilitados por 15 anos após apoio a Edmundo González

Mais na Exame