Mundo
Acompanhe:

Carros 'verdes' serão destaque no 26º Salão do Automóvel de SP

Evento trará 42 marcas, 450 modelos e espera 625.000 visitantes

Entre as versões híbridas que serão importadas para o Salão do Automóvel, está o Fusion, que a Ford lança por 134 mil reais.  (Divulgação)

Entre as versões híbridas que serão importadas para o Salão do Automóvel, está o Fusion, que a Ford lança por 134 mil reais. (Divulgação)

D
Da Redação

1 de julho de 2012, 00h54

São Paulo - O Salão do Automóvel de São Paulo abre as portas na quarta-feira e aposta em veículos elétricos e híbridos para conquistar o público brasileiro. O evento segue a tendência das feiras internacionais e tem como apelo os carros verdes, menos poluentes e mais econômicos.

A maioria dos estandes alude ao esforço que o setor vem fazendo no mundo todo para diminuir o papel de vilão do automóvel na emissão de poluentes. Além do motor flex, as empresas começam a trazer das matrizes os modelos híbridos (com motor elétrico e a gasolina/diesel) e os puramente elétricos.

Entre as versões híbridas que serão importadas estão o Fusion, que a Ford lança no salão por 134 mil reais, o BMW Série 7, que deve custar cerca de 650.000 reais e o Mercedes-Benz S400, já à venda por 430.000 reais. A Porsche e a chinesa JAC terão os modelos Cayenne e J5 para testar a aceitação do público.

Na linha dos elétricos estarão o Nissan Leaf,o 620, da chinesa Lifan e o Mitsubishi i-MiVE, que na semana passada foi mostrado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A Toyota apresenta o Prius Plug-in, o subcompacto elétrico FT-EV e o superesportivo FINE-S, alimentado por célula de hidrogênio.

Para garantir atenção na onda verde, expositores ligados à cadeia produtiva da cana-de-açúcar participam pela primeira vez do salão e vão mostrar o "labirinto canavial". olina.

Recordes - O salão deve ultrapassar todos os recordes anteriores: serão 42 marcas, com 450 modelos expostos, dos quais 40% são lançamentos. O público esperado também é recorde: 650 mil pessoas. Com tantos superlativos, estima-se que o Brasil feche o ano de 2010 como o quarto maior mercado mundial de automóveis e o salão de São Paulo está entre os seis maiores, atrás dos eventos de Frankfurt (Alemanha), Detroit (EUA), Xangai (China), Paris (França) e Tóquio (Japão).