Mundo

Biden escolhe Antony Blinken para secretário de Estado

Indicação do experiente diplomata Antony Blinken como secretário de Estado pode marcar o retorno dos Estados Unidos ao multilateralismo

Blinken é um dos principais colaboradores do democrata para política externa (Mandel NGAN/AFP)

Blinken é um dos principais colaboradores do democrata para política externa (Mandel NGAN/AFP)

A

AFP

Publicado em 23 de novembro de 2020 às 06h45.

Última atualização em 23 de novembro de 2020 às 08h54.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, planeja nomear o experiente diplomata Antony Blinken como secretário de Estado, uma decisão que pode marcar o retorno ao multilateralismo depois que Donald Trump se afastou dos aliados tradicionais dos Estados Unidos.

"Verão as primeiras escolhas do presidente eleito para seu gabinete na terça-feira", afirmou no domingo o chefe de gabinete de Biden, Ron Klain, ao programa "This Week" do canal ABC.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor 

Blinken, 58 anos, é um dos principais colaboradores do democrata para política externa e foi o número dois do Departamento de Estado durante o governo de Barack Obama, quando Biden era vice-presidente.

O jornal Washington Post e outros meios de comunicação informaram que o cargo de conselheiro de Segurança Nacional será ocupado por Jake Sullivan, outro colaborador de longa data de Biden.

A imprensa americana informou ainda que Biden escolheu Linda Thomas-Greenfield, que foi a diretora para a África no Departamento de Estado durante a presidência de Obama, para o posto de embaixadora na ONU.

Se for confirmado pelo Senado, Blinken substituirá como secretário de Estado Mike Pompeo, cujas prioridades à frente da diplomacia americana incluíram uma relação sem concessões com a China e a contenção do Irã.

A designação de Blinken como secretário de Estado poderia contribuir para tranquilizar os aliados tradicionais do país, que foram deixados de lado - e em várias ocasiões insultados - por Trump.

Blinken, nascido em Nova York, fez o Ensino Médio em Paris, onde seu padrasto, um sobrevivente do Holocausto, exerceu a advocacia, e depois trabalhou como advogado na França.

Biden anunciará os primeiros nomes de sua equipe de governo na terça-feira, de acordo com seu chefe de gabinete, embora Trump continue com suas denúncias de fraude, sem evidências, apesar da crescente oposição dentro de seu próprio partido.

O democrata prossegue com os preparativos para assumir a presidência em 20 de janeiro, independente das tentativas de Trump para impugnar os resultados das eleições de 3 de novembro.

Klain não revelou quais postos serão anunciados por Biden, mas o presidente eleito afirmou na semana passada que já decidiu quem ocupará o posto chave de secretário do Tesouro.

Um número cada vez maior de republicanos reconhece a vitória de Biden, ou pelo menos o grupo pede para a Administração de Serviços Gerais - uma agência geralmente discreta responsável pela burocracia federal - liberar os fundos para a transição.

Com Trump se recusando a reconhecer o resultado das eleições, Biden e seus principais assessores não recebem informações sobre temas delicados de política nacional e exterior, assim como sobre a questão mais urgente que afeta o país, a pandemia de coronavírus.

O ex-governador de Nova Jersey Chris Christie, que em 2016 assessorou Trump na transição, declarou ao canal ABC que a equipe legal do presidente era uma "vergonha nacional".

O governador de Maryland, Larry Hogan, outro republicano de proeminente, declarou à CNN que Trump estava fazendo o país parecer uma "república das bananas". Posteriormente, ele tuitou que o presidente deveria "parar de jogar golfe e reconhecer" a vitória de Biden.

Liz Cheney, a terceira republicana da Câmara de Representantes, disse que se os advogados e Trump não conseguem provar as acusações de fraude, o presidente deveria "respeitar a inviolabilidade do processo eleitoral".

Até mesmo o congressista Devin Nunes, um fervoroso partidário de Trump, admitiu de forma indireta na Fox News que Biden fez uma campanha "de sucesso de um porão".

Acompanhe tudo sobre:DiplomaciaEstados Unidos (EUA)Joe Biden

Mais de Mundo

Navios chinês e filipino colidem no Mar da China Meridional

Foto inédita de William com os filhos, tirada por Kate, é publicada para celebrar Dia dos Pais

Exército israelense anuncia pausa diária nas operações em uma região de Gaza

Cúpula pela paz na Suíça reafirma integridade da Ucrânia, mas pede negociações com a Rússia

Mais na Exame