Biden anuncia fortalecimento da presença militar americana na Europa

Biden abriu sua participação na cúpula anunciando que os EUA estão estabelecendo uma sede permanente na Polônia
Anúncio é para estabelecer segurança regional após a invasão da Ucrânia pela Rússia (JIM WATSON/AFP/Getty Images)
Anúncio é para estabelecer segurança regional após a invasão da Ucrânia pela Rússia (JIM WATSON/AFP/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 29/06/2022 às 11:07.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden disse, nesta quarta-feira, 29, que o país aumentará a presença militar na Europa no longo prazo para reforçar a segurança regional após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Reunindo-se com o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, em Madri, Espanha, na abertura da cúpula anual de líderes da aliança, Biden disse que "a Otan é forte e unida" e que as medidas a serem tomadas durante o encontro "aumentarão ainda mais nossa força coletiva".

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Biden abriu sua participação na cúpula anunciando que os EUA estão estabelecendo uma sede permanente na Polônia, enviando dois esquadrões de caças F-35 adicionais para o Reino Unido e enviarão mais defesa aérea e outras capacidades para a Alemanha e Itália.

"Hoje, estou anunciando que os EUA vão fortalecer a postura de força na Europa e responder às mudanças no ambiente de segurança além de fortalecer nossa segurança coletiva", afirmou ele.

Biden disse que os EUA posicionarão permanentemente o comando avançado do Quinto Corpo do Exército americano na Polônia, uma medida que, segundo ele, fortaleceria a parceria EUA-OTAN em todo o flanco leste da aliança. A medida marca a primeira base permanente das forças dos EUA na borda leste da OTAN. Biden acrescentou que os EUA também estão intensificando seus deslocamentos rotativos de tropas para a região do Báltico.

Biden anunciou, depois de chegar à cúpula na terça-feira, que os EUA posicionariam dois destróieres adicionais em sua base naval em Rota, na Espanha, elevando o número total para seis. Fonte: Associated Press.

Leia também:

Países da UE concordam em encerrar venda de novos carros a combustão até 2035

Trump tentou dirigir até o Capitólio em 6 de janeiro, segundo ex-assistente