• AALR3 R$ 19,86 0.86
  • AAPL34 R$ 70,89 -3.42
  • ABCB4 R$ 16,62 -1.83
  • ABEV3 R$ 14,44 -1.97
  • AERI3 R$ 3,82 -1.80
  • AESB3 R$ 10,79 -0.19
  • AGRO3 R$ 31,23 -1.30
  • ALPA4 R$ 21,16 -1.54
  • ALSO3 R$ 19,37 -3.73
  • ALUP11 R$ 26,50 0.53
  • AMAR3 R$ 2,35 -3.69
  • AMBP3 R$ 30,98 2.21
  • AMER3 R$ 22,82 -0.87
  • AMZO34 R$ 68,91 -4.74
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 81,76 -1.22
  • ASAI3 R$ 15,58 -1.58
  • AZUL4 R$ 21,53 -2.97
  • B3SA3 R$ 11,66 -2.02
  • BBAS3 R$ 36,26 -0.47
  • AALR3 R$ 19,86 0.86
  • AAPL34 R$ 70,89 -3.42
  • ABCB4 R$ 16,62 -1.83
  • ABEV3 R$ 14,44 -1.97
  • AERI3 R$ 3,82 -1.80
  • AESB3 R$ 10,79 -0.19
  • AGRO3 R$ 31,23 -1.30
  • ALPA4 R$ 21,16 -1.54
  • ALSO3 R$ 19,37 -3.73
  • ALUP11 R$ 26,50 0.53
  • AMAR3 R$ 2,35 -3.69
  • AMBP3 R$ 30,98 2.21
  • AMER3 R$ 22,82 -0.87
  • AMZO34 R$ 68,91 -4.74
  • ANIM3 R$ 5,52 -3.33
  • ARZZ3 R$ 81,76 -1.22
  • ASAI3 R$ 15,58 -1.58
  • AZUL4 R$ 21,53 -2.97
  • B3SA3 R$ 11,66 -2.02
  • BBAS3 R$ 36,26 -0.47
Abra sua conta no BTG

Bashar al Assad começa quarto mandato na Síria após reeleição criticada

Governante obteve 95,1% dos votos nas eleições de 26 de maio e está no poder desde 2000
 (AFP/AFP)
(AFP/AFP)
Por AFPPublicado em 17/07/2021 14:15 | Última atualização em 17/07/2021 15:09Tempo de Leitura: 3 min de leitura

O presidente sírio, Bashar al Assad, prestou juramento neste sábado (17) para um quarto mandato em uma cerimônia em Damasco, depois de obter 95,1% dos votos nas eleições de 26 de maio, criticadas pela oposição síria e boa parte da comunidade internacional.

Assad, que está no poder desde 2000, jurou sobre a Constituição e o Corão, na presença de 600 convidados, entre eles ministros, empresários, acadêmicos e jornalistas, segundo os organizadores.

Esta cerimônia coincidiu com os bombardeios que o governo promove na região de Idlib, no noroeste da Síria, que provocaram a morte de seis civis, três deles menores de idade, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

As eleições presidenciais "mostraram a força da legitimidade popular dada ao Estado pelo povo e tiraram credibilidade das declarações dos líderes ocidentais sobre a legitimidade do Estado, da Constituição e da pátria", declarou Assad, em seu discurso de posse.

"Reitero mais uma vez meu apelo a todos aqueles que se equivocaram (...) e falaram de colapso do Estado", disse, referindo-se aos opositores.

"Digo a todos eles: são usados pelos inimigos de seu país (...) e a revolução com a qual os enganaram é uma ilusão", insistiu.

Sua vitória nas presidenciais é a segunda desde o início da guerra, que explodiu em 2011, após a repressão das manifestações pró-democracia. Até então, este conflito, no qual se envolveram também interesses estrangeiros, deixou mais de 500.000 mortos e provocou o exílio forçado de milhões de pessoas.

Estados Unidos e outros países europeus condenaram em maio essas eleições na Síria, que para eles não eram "nem livres nem justas", e a oposição denunciou uma farsa.

"Liberar o território"

Neste momento, o presidente sírio quer se apresentar como o homem da reconstrução, depois de acumular vitórias militares desde 2015 com o apoio de seus aliados, Rússia e Irã, com as quais conseguiu tomar novamente o controle de dois terços do territorio.

Durante seu discurso, Assad foi interrompido várias vezes por aplausos.

"Durante mais de 10 anos de guerra, nossas preocupações foram muitas e a segurança e o medo dominavam tudo. Mas hoje se trata principalmente de libertar o restante do território e enfrentar as repercussões econômicas da guerra", disse Asad.

Uma parte da região de Idlib, dominada por grupos rebeldes, escapa ao controle do governo de Assad, assim como áreas sob o domínio curdo no norte e nordeste do país.

Pouco antes de seu discurso, o governo lançou dois mísseis sobre o povo de Sarja, no sul de Idlib, causando a morte de seis civis e vários feridos, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

"Libertar o restante de nosso território é primordial para nós, libertá-lo dos terroristas e de seus padrinhos turcos e americanos", disse Assad.

A trégua imposta por Rússia e Turquia em Idlib e a presença dos EUA em áreas curdas e turcas do norte da Síria impediram até agora a opção militar por parte do governo de Assad.