Mundo

Avião capta novo sinal em zona de buscas por Boeing

Avião de patrulha marítima da Austrália captou um sinal acústico na mesma região onde é buscado o Boeing da companhia Malaysia Airlines


	Navio da Austrália durante busca por avião da Malaysia Airlines: lugar de buscas nesta quinta-feira abrange uma área de 57.923 quilômetros quadrados
 (REUTERS/Australian Defence Force/Handout via Reuters)

Navio da Austrália durante busca por avião da Malaysia Airlines: lugar de buscas nesta quinta-feira abrange uma área de 57.923 quilômetros quadrados (REUTERS/Australian Defence Force/Handout via Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de abril de 2014 às 08h34.

Sydney - Um avião de patrulha marítima da Austrália captou nesta quinta-feira um sinal acústico na mesma região onde é buscado o Boeing da companhia Malaysia Airlines que desapareceu no dia 8 de março com 239 pessoas a bordo.

"O sinal acústico tem que ser analisado, mas tem o potencial de pertencer a um objeto fabricado pelo homem", disse o chefe do Centro de Coordenação de Agências Conjuntas do país, Angus Houston, em comunicado.

O sinal foi captado por um avião AP-3C Orion da força aérea à tarde na área onde o navio australiano Ocean Shield, que tem a bordo um localizador de caixas-pretas e um veículo submersível de controle remoto, centra suas buscas. A embarcação já tinha registrado sinais acústicos no sábado e na terça-feira.

O lugar de buscas nesta quinta-feira abrange uma área de 57.923 quilômetros quadrados a 2.280 quilômetros a noroeste de Perth, no litoral ocidental da Austrália. Participam do rastreamento dez aviões militares, outros quatro civis e 13 navios.

Nos últimos sete dias, a missão internacional captou vários sinais acústicos que reacenderam as esperanças de que os trabalhos estão no caminho correto. No entanto, ainda não foi localizado nenhum destroço da aeronave desaparecida.

O voo MH370 da Malaysia Airlines decolou de Kuala Lumpur com 239 pessoas a bordo rumo a Pequim na madrugada de 8 de março e desapareceu dos radares civis da Malásia 40 minutos depois.

Estavam a bordo 153 chineses, 50 malaios, sete indonésios, seis australianos, cinco indianos, quatro franceses, três americanos, dois neozelandeses, dois ucranianos, dois canadenses, um russo, um holandês, um taiuanês e dois iranianos, sendo que estes últimos utilizaram os passaportes roubados de um italiano e um austríaco.

Acompanhe tudo sobre:acidentes-de-aviaoBoeing 777Malaysia AirlinesVoo MH370

Mais de Mundo

Família é infectada por vermes após comer carne de urso nos EUA

Netanyahu reconhece 'erro trágico' em ataque que deixou pelo menos 45 mortos em Rafah

Coreia do Norte lança míssil ao mar, dizem Japão e Coreia do Sul

Israel enfrenta críticas da comunidade internacional após ataques em Rafah

Mais na Exame