Acompanhe:

As delegações dos Estados-membros da União Europeia (UE) e de países do Oriente Médio e do norte da África estão se reunindo nesta segunda-feira, 27, em Barcelona, na Espanha, para discutir a crise em Gaza.

Quarenta e duas delegações se reuniram no evento realizado pela União para o Mediterrâneo (UpM), com muitos representados por seus ministros das Relações Exteriores. A reunião é presidida pelo chefe de política externa da UE, Josep Borrell, e pelo ministro das Relações Exteriores da Jordânia, Ayman Safadi.

Israel não está participando da reunião, que nos últimos anos se tornou amplamente um fórum de cooperação entre a UE e o mundo árabe. A reunião desta segunda-feira deveria se concentrar no papel da União 15 anos após sua fundação, mas assumiu um novo significado desde o ataque do Hamas em 7 de outubro a Israel e a guerra de Israel na faixa de Gaza.

Borrell disse que "lamentou" a ausência de Israel. Ele repetiu sua condenação ao ataque do Hamas, enquanto pedia a Israel que termine permanentemente seu ataque, que, segundo ele, ceifou a vida de mais de 5 mil crianças. "Um horror não pode justificar outro horror", disse Borrell. "A paz entre Israel e Palestina se tornou um imperativo estratégico para toda a comunidade do euro-mediterrâneo e além".

Borrell disse que quer que o foco da reunião seja sobre como gerenciar a crise humanitária em Gaza quando as hostilidades finalmente acabarem. A UE gostaria que a Organização das Nações Unidas (ONU) assumissem um papel de liderança no estabelecimento da melhor forma de preencher qualquer vácuo de segurança caso as forças israelenses derrotem o Hamas, de acordo com uma autoridade da UE que não estava autorizado a falar publicamente e falou sob condição de anonimato.

Safadi, que disse à Associated Press à véspera do evento que espera que as negociações ajudem a "preencher uma lacuna" entre países árabes e europeus, instou as autoridades presentes que apoiassem uma solução que reconheça um Estado Palestino.

O ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, o príncipe Faisal Bin Farhan Al Saud, foi convidado para o evento. Israel estava perto de normalizar as relações com a Arábia Saudita antes do ataque do Hamas.

"O único resultado certo é mais destruição, radicalização e conflitos adicionais à custa da vida palestina, bem como à segurança regional, incluindo a de Israel. Desde que essa crise eclodiu, somos claros ao condenar todo o direcionamento de civis de qualquer forma. Em ambos os lados

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Pela primeira vez desde início da guerra, Israel ataca posições do Hezbollah no Leste do Líbano
Mundo

Pela primeira vez desde início da guerra, Israel ataca posições do Hezbollah no Leste do Líbano

Há 6 horas

ONU tem 'preocupações crescentes' sobre capacidade do Irã de produzir arma atômica
Mundo

ONU tem 'preocupações crescentes' sobre capacidade do Irã de produzir arma atômica

Há 6 horas

Na China, BYD se compromete a desenvolver baterias mais seguras para E-Bikes após incêndio
Mundo

Na China, BYD se compromete a desenvolver baterias mais seguras para E-Bikes após incêndio

Há 6 horas

Judaísmo, cristianismo e Estado Laico: entenda divisões religiosas, étnicas e políticas de Israel
Mundo

Judaísmo, cristianismo e Estado Laico: entenda divisões religiosas, étnicas e políticas de Israel

Há 6 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais