Mundo

Assim como Trump, Seul vê possibilidade de suspender as manobras militares

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, convocou para amanhã uma reunião do Conselho de Segurança Nacional (NSC) para discutir este tema

Coreia do Sul: presidente também planeja se reunir amanhã com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (Kim Hong-Ji/Reuters)

Coreia do Sul: presidente também planeja se reunir amanhã com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (Kim Hong-Ji/Reuters)

E

EFE

Publicado em 13 de junho de 2018 às 10h03.

Seul - O gabinete da presidência da Coreia do Sul afirmou nesta quarta-feira que haveria uma possibilidade real de que as manobras anuais de Seul e Washington fossem suspensas para facilitar o desarmamento de Pyongyang, como disse ontem, em Singapura, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

"Enquanto houver negociações sérias entre a Coreia do Norte e os EUA para a desnuclearização da península e o estabelecimento da paz, acreditamos que devemos considerar várias formas de promover esse diálogo", disse em entrevista coletiva, o porta-voz da presidência sul-coreana, Kim Eui-kyeom.

Embora ele reconheça que "por enquanto, ainda é preciso encontrar o verdadeiro significado e intenções por trás dos comentários do presidente Trump" após a cúpula histórica realizada com o líder norte-coreano, Kim Jong-un.

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, convocou para amanhã uma reunião do Conselho de Segurança Nacional (NSC) para discutir este tema.

Moon também planeja se reunir amanhã com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que segue de Singapura até Seul, para explicar em detalhes os resultados da histórica cúpula entre Trump e Kim.

No final do encontro de ontem, os dois líderes assinaram uma declaração onde se comprometem abrir uma nova era de relações e a estabelecer "uma paz estável e duradoura", enquanto Washington oferece garantias de sobrevivência ao regime e houver o compromisso de trabalhar para conseguir a desnuclearização da península.

Embora nenhum destes pontos tenha ficado minimamente especificado no documento, em entrevista coletiva posterior, o presidente americano disse que suspenderia as manobras militares conjuntas como gesto de boa vontade para a Coreia do Norte.

Acompanhe tudo sobre:Armas nuclearesCoreia do NorteCoreia do SulDonald TrumpGuerrasSeulSingapuraWashington (DC)

Mais de Mundo

Dois dias após atentado, Trump faz primeira aparição pública na Convenção Republicana

Biden ordena fornecimento de aparato de segurança para Kennedy Jr. e reforço para o de Trump

Site de Trump usa imagem de seu rosto ensanguentado para arrecadar fundos após atentado

Bolívia anuncia descoberta de megacampo de gás natural

Mais na Exame