AL e Caribe: compromisso de erradicar fome e ajudar Haiti

Metas foram reforçadas na 32ª Conferência Regional da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação

"Não estamos atrasados em nossa meta de erradicação da fome na região. Ao contrário, estamos em um bom caminho", destacou o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva (Hector Retamal/AFP)
"Não estamos atrasados em nossa meta de erradicação da fome na região. Ao contrário, estamos em um bom caminho", destacou o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva (Hector Retamal/AFP)
DR

Da Redação

Publicado em 30 de março de 2012 às 16h52.

Buenos Aires - A América Latina e o Caribe estão "bem encaminhados" para conseguir a meta de erradicar a fome na região antes de 2025, concluiu a 32ª Conferência Regional da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), que fixou entre suas prioridades fortalecer o apoio ao Haiti.

"Não estamos atrasados em nossa meta de erradicação da fome na região. Ao contrário, estamos em um bom caminho", destacou o diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva.

"A América Latina e o Caribe já se apropriaram da iniciativa para erradicar este flagelo. Antes era apenas um projeto financiado pela Espanha", ressaltou o brasileiro.

Em 2005, quando a Guatemala e o Brasil impulsionaram a iniciativa, apenas um país (Argentina) tinha uma lei de segurança alimentar e atualmente são oito os que contam com legislação nesse campo, acrescentou.

Ao lado do ministro de Agricultura argentino, Lorenzo Basso, o diretor do organismo concedeu uma entrevista coletiva para apresentar as conclusões da 32ª Conferência Regional da FAO, realizada a portas fechadas desde a última segunda-feira em Buenos Aires.

Graziano indicou que entre as prioridades para os próximos dois anos estará fortalecer o apoio ao governo haitiano para o desenvolvimento de projetos produtivos.

"O Haiti não é apenas um tema emergencial, mas de reconstrução de um país. É um caso exemplar da relação que há entre a segurança alimentar e a paz", afirmou.

Nesse ponto, o diretor-geral da FAO disse que o governo do Haiti declarou na conferência que o país caribenho não tem apenas um problema de recursos, mas de "coordenação" dos projetos.


"As iniciativas isoladas não servem. Devemos apoiar o governo haitiano em seus programas de segurança alimentar", enfatizou Graziano.

Entre os resultados da reunião, o brasileiro destacou que os 32 países participantes reafirmaram seu compromisso com a erradicação da fome antes de 2025 e definiram como prioridades de trabalho a segurança alimentar, a adaptação à mudança climática, o fortalecimento da agricultura familiar e a saúde e inocuidade agroalimentar.

Graziano disse ainda que houve avanços em outros cinco temas prioritários, como a cooperação sul-sul, a relação com organismos regionais, a descentralização e reforma da FAO, o compromisso para aumentar a produção de alimentos e o apoio à pesca, à agricultura e ao setor florestal.

O responsável da FAO destacou a "alta participação" registrada na reunião na capital argentina, à qual só faltou o Suriname, assim como a contribuição da sociedade civil nas deliberações de forma ativa pela primeira vez.

A pedido dos representantes da sociedade civil, apontou, a Conferência Regional acertou iniciar um processo de debate sobre a soberania alimentar, conceito que "já está incorporado em leis de diferentes países da região como o Equador, Nicarágua e Venezuela".

Basso, por sua vez, comentou que nos debates foi abordado o aumento e a volatilidade dos preços dos alimentos e foi iniciada uma discussão sobre a "estrangeirização" de terras, assunto sobre o qual foi acertada a formação de um grupo que se encarregará de reunir as experiências sobre normas desse campo.

Nas deliberações, o Brasil se comprometeu fazer um investimento de US$ 20 milhões adicionais em sua cooperação com a FAO e foi assinado um acordo de cooperação em segurança alimentar com a Associação Latino-Americana de Integração (Aladi).

A próxima Conferência Regional da FAO ocorrerá no Chile em 2014.

Acompanhe tudo sobre:América LatinaFomeHaiti

Mais de Mundo

Detroit vai de falida à liderança do boom imobiliário nos EUA

Novas regras entram em vigor para obtenção da cidadania portuguesa

Mais de 110 pessoas são sequestradas por supostos jihadistas no Mali

Julgamento de Donald Trump entra em fase decisiva

Mais na Exame