60% das pessoas temem cair em fake news, diz pesquisa feita em 10 países

Pesquisa da Oliver Wyman, a qual EXAME teve acesso com exclusividade, mostra o que as pessoas de dez países (incluindo o Brasil) pensam sobre fake news
Mais de 80% acreditam que a desinformação é um problema atualmente. (Nora Carol Photography/Getty Images)
Mais de 80% acreditam que a desinformação é um problema atualmente. (Nora Carol Photography/Getty Images)
Por Gilson Garrett JrPublicado em 13/03/2022 09:00 | Última atualização em 14/03/2022 10:32Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Uma pesquisa feita com 125 mil entrevistados em dez países aponta que mais de 60% das pessoas estão preocupadas com a possibilidade de cair em fake news. Mais de 80% acreditam que a desinformação é um problema atualmente. A maior parte das pessoas (53%) usa as mídias tradicionais de grande imprensa para se informar, e metade diz ter técnicas para identificar quando algum conteúdo é falso.

Os números são do estudo chamado ‘As novas pessoas moldando nosso futuro’, ao qual EXAME teve acesso com exclusividade. A pesquisa foi desenvolvida pela consultoria Oliver Wyman e ouviu pessoas de 18 a 65 anos no Brasil, Estados Unidos, México, Alemanha, França, Itália, Espanha, Reino Unido, Austrália e China.

Nesses dez países, 66% afirmam que podem identificar notícias falsas de maneira rápida, e pouco mais da metade, 52%, diz que tem técnicas para perceber quando uma informação não condiz com a verdade. Quando o recorte é feito especificamente pelo Brasil, 74% afirmam que conseguem identificar fake news rapidamente, e outros 66% desenvolveram maneiras próprias de fazer isso.

A pesquisa ainda desenvolveu uma escala, que vai de 1 a 5, para identificar o grau de confiança das pessoas nos governos e em empresas. O brasileiro é o que menos confia no governo, com uma pontuação de 2.3, enquanto que a média dos dez países testados ficou em 2.8. A nação que mais confia no próprio governo é o Canadá (3.1 de nota).

Quando a pergunta testou a confiança nas empresas, o Brasil ficou com uma pontuação de 3.1, atrás de países como China (3.7), México (3.4) e Reino Unido (3.4). O nível de confiança geral, entre os 125 mil entrevistados, ficou em 3.4. Mais de dois terços da população dos dez países (65%) acredita que as empresas estão fazendo o possível para combater notícias falsas. Já no Brasil, este mesmo número cai para 56%.

“Há um grande desafio para combater notícias falsas, e nesse sentido é fundamental que as empresas em geral – não apenas as de mídia/informação – se posicionem a favor da verdade e contra a desinformação”, diz Gontijo, a diretora de serviços financeiros da Oliver Wyman.

Perfil dos entrevistados

Amostra global da pesquisa

125 mil entrevistados, de 18 a 65 anos, em 10 países (Brasil, Estados Unidos, México, Alemanha, França, Itália, Espanha, Reino Unido, Austrália e China).

  • 60% homens
  • 40% mulheres
  • Mais de 70% vivem em áreas urbanas
  • Mais de 70% têm graduação

Perfil dos brasileiros entrevistados

  • 932 entrevistados de 18 a 65 anos
  • 47% homens e 53% mulheres
  • 91% vivem em áreas urbanas
  • 42% têm ensino superior
  • 54% são casados e 34% solteiros