Bolsas e petróleo recuam com aumento de temores sobre coronavírus

Bolsas na Europa fecharam em queda; em Wall Street, os principais índices acionários voltam a registrar perdas ao redor de 3%

São Paulo — O tom negativo prevalecia nos mercados acionários no exterior nesta terça-feira, com os rendimentos dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos tocando mínima em meio a preocupações sobre o efeito na economia global da alastramento do novo coronavírus.

As perdas se ampliaram após o Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) alertaram que os norte-americanos devem começar se preparar para a disseminação do vírus.

Os preços do petróleo continuaram a cair, enquanto o iene se fortaleceu contra o dólar, em sinais de que agentes financeiros estavam em busca de ativos relativamente mais seguros.

O novo coronavírus já infectou mais de 80 mil pessoas, dez vezes mais do que a SARS. A Organização Mundial da Saúde (OMS), contudo, disse que a epidemia na China, onde começou em dezembro, atingiu o pico entre 23 de janeiro e 2 de fevereiro e começou a declinar desde então.

Em Wall Street, os principais índices acionários voltavam a registrar perdas ao redor de 3%.

“Pela primeira vez em algum tempo, nós finalmente estamos acordando para o fato de que esse problema pode continuar por um período e ter um impacto significativo no crescimento econômico chinês e global e potencialmente nos Estados Unidos”, disse Randy Frederick, vice-presidente de negociação e derivativos para Charles Schwab em Austin, Texas.

“Quando as pessoas reagem a isso porque não viajam, não vão a restaurantes ou fazem compras, isso terá um impacto imediato na economia. Depende de quanto tempo dura e quão amplo é o contágio”, acrescentou ele, aconselhando que investidores aguardem pelo menos dois dias de alta antes de comprar ações novamente.

O Dow Jones Industrial Average Dow Jones caía 3,14%, a 27.083 pontos, enquanto o Standard & Poor’s 500 perdia 2,99%, a 3.129 pontos e o Nasdaq Composite recuava 2,78%, a 8.965 pontos.

O europeu STOXX 600 recuou 1,76% e o índice MSCI que serve de referência para as ações ao redor do globo caiu 1,77%.

O MSCI para a região Ásia-Pacífico excluindo o Japão fechou com variação positiva de 0,14%, enquanto o japonês Nikkei perdeu 3,34% após não funcionar na segunda-feira por feriado.

Cortes de juros

Os riscos são tais que os mercados de títulos estão começando a apostar que os bancos centrais terão que vir ajudar com novos estímulos.

Os Fed Funds futuros subiram nos últimos dias para embutir uma chance de 50% de um corte de 0,25 ponto na taxa de juros no início de abril. No total, precificam mais de 0,50 ponto em reduções até o final do ano.

A indicação de queda nas taxas dos EUA atingiu o dólar contra uma cesta de moedas.

“Os sinais de que o dólar norte-americano é penalizado por ter um banco central com alguma capacidade de cortar taxas levantam a questão de saber se os spreads de taxas provavelmente se tornarão um fator importante em breve”, disse Alan Ruskin, estrategista-chefe internacional do Deutsche Bank.

O dólar caía 0,4%, enquanto o euro subia 0,3%, a 1,0887 dólar.

Em relação à moeda japonesa, o dólar cedia 0,7%, a 109,91 ienes.

A libra esterlina era cotada a 1,3010 dólar, alta de 0,6%.

O número de mortes e casos por coronavírus subiu Itália e vários países europeus estavam lidando com suas primeiras infecções, alimentando preocupações com uma pandemia.

A corrida para os títulos arrastou os rendimentos das notas do Tesouro dos EUA a 10 anos , para uma mínima recorde de 1,316%. O benchmark dos EUA subiu 18/32 pela última vez, para render 1,3188%, ante 1,377% na segunda-feira.

O bônus de 30 anos estabeleceu um novo recorde em baixa de 1,79 e subiu 30/32 pela última vez, para render 1,797%, ante 1,836% na segunda-feira.

O ouro teve lucro após atingir o pico de sete anos da noite para o dia e caiu 0,9%, para 1.644,82 dólares a onça.

Os preços do petróleo continuaram caindo, uma vez que as preocupações com a demanda relacionadas ao alastramento do vírus superaram os cortes na oferta.

O petróleo bruto dos EUA caiu 2,97%, para 49,90 dólares por barril, e o Brent cedia 2,61%, a 54,83 dólares.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.