Economia

Lançamento de imóveis cresce 92,5% em julho, diz Abrainc

Os lançamentos de imóveis em julho de 2016 atingiram 2,3 mil unidades, alta de 92,5% em relação ao mesmo mês do ano passado


	Imóveis: no acumulado dos 7 primeiros meses do ano, os lançamentos totalizaram 33,9 mil unidades
 (Thinkstock/zahar2000)

Imóveis: no acumulado dos 7 primeiros meses do ano, os lançamentos totalizaram 33,9 mil unidades (Thinkstock/zahar2000)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de setembro de 2016 às 14h02.

São Paulo - O mercado imobiliário nacional teve uma alta expressiva nos lançamentos em julho, embora o setor ainda continue pressionado pela queda nas vendas e por uma quantidade elevada de distratos, de acordo com pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

A pesquisa considera dados fornecidos por 19 incorporadoras de grande porte, com presença em diversas regiões, e associadas à Abrainc.

Os lançamentos de imóveis em julho de 2016 atingiram 2,3 mil unidades, alta de 92,5% em relação ao mesmo mês do ano passado.

A oscilação acentuada ocorreu devido à comparação com uma base muito fraca, já que julho de 2015 teve apenas 1,2 mil unidades lançadas, patamar mais baixo no biênio.

Já as vendas em julho totalizaram 8,0 mil unidades, recuo de 7,1% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

No acumulado dos sete primeiros meses do ano, os lançamentos totalizaram 33,9 mil unidades, crescimento de 13,8% em relação aos mesmos meses do ano passado.

As vendas chegaram a 57,8 mil unidades, queda de 13,0% na comparação entre os mesmos períodos.

O estoque de imóveis disponíveis para comercialização no fim de julho totalizou 116,4 mil unidades, o que representa uma leve diminuição de 0,8% em relação a junho e alta de 6,7% em relação a julho do ano passado.

A velocidade de vendas - que considera o número de unidades comercializadas ante o estoque total - foi de 6,7% em julho, queda de 1,6 ponto porcentual em relação a junho.

Com essa liquidez, seriam necessários 15 meses para realizar a venda integral desse estoque.

De acordo com a pesquisa da Abrainc/Fipe, 4,3 mil unidades tiveram as vendas canceladas em julho, queda de 15% frente ao mesmo mês do ano passado.

Já as entregas de empreendimentos totalizaram 8,3 mil unidades, recuo de 14,3% na mesma base de comparação.

Acompanhe tudo sobre:FipeImóveis

Mais de Economia

Inflação ao consumidor na China continua em alta

Petrobras prevê perfurar novos poços do pré-sal em 2025 para garantir futuro da bacia de Campos

Senado estuda usar atualização do IR e repatriação para compensar desoneração

Sonho da casa própria cresce entre investidores brasileiros, diz Anbima

Mais na Exame