Acompanhe:

Petrobras não perderá grau de investimento, afirma Fitch

Em entrevista ao site EXAME, analista responsável pela avaliação da estatal afirma que o atraso na capitalização não é significante e que rating atual será mantido.

Modo escuro

Continua após a publicidade
petrobras-plataforma-460-30-jpg.jpg (.)

petrobras-plataforma-460-30-jpg.jpg (.)

G
Gustavo Kahil

Publicado em 25 de junho de 2010 às, 18h15.

São Paulo - A Petrobras (PETR3); (PETR4) não corre o risco de perder o seu grau de investimentos, apesar do atraso na capitalização da empresa para setembro deste ano, avalia a agência de classificação de risco Fitch. Em entrevista ao site EXAME, o analista responsável pela avaliação da estatal afirma que o atraso na capitalização não é significante e que rating atual será mantido. A declaração rebate as especulações de que a empresa poderiar perder a nota após o adiamento da capitalização.

"Não é provável perder o grau de investimento porque neste momento pensamos que os fatores positivos da nova regulação do pré-sal, o plano de investimentos, a cessão onerosa e a emissão de ações, compensam os fatores negativos", disse Jose Luis Villanueva. A Petrobras decidiu adiar para setembro a enorme oferta pública de ações que programava levar a mercado em meados de julho.

O objetivo da emissão é o de financiar o seu agressivo plano de investimentos de 224 bilhões de dólares. "O atraso não é significante. Não importa se a emissão será em alguns meses ou no ano que vem", afirma Villanueva. A nota atual da estatal em moeda estrangeira é BBB, com perspectiva estável.

A oferta foi adiada devido à expectativa de que a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) só tenha em agosto o laudo sobre o valor estimado do barril de petróleo das reservas que deverão ser utilizadas pela União em uma troca indireta por ações da Petrobras, a chamada cessão onerosa.

"Em caso de uma ação de rating negativa, a nota seria reduzida para BBB-. A probabilidade de perder o grau de investimento é muito baixa. O governo brasileiro tem um rating BBB-, o que limitaria caída da Petrobras", explica Villanueva. Para ele, um pronunciamento sobre o rating da estatal só acontecerá quando forem anunciados o valor do barril da cessão onerosa, o montante a ser captado na oferta pública de ações e na participação prioritária dos atuais acionistas minoritários.

A estimativa da Fitch é de que a relação entre dívida líquida e Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) fique entre 1,5 e 2x em 2010, caindo para um nível entre 1 e 1,5x em 2011. "Hoje está um pouco acima, mas era algo que já esperávamos", afirma o analista.

 

Últimas Notícias

Ver mais
Projetos cripto receberam mais de US$ 90 bilhões desde 2017
seloMercados

Projetos cripto receberam mais de US$ 90 bilhões desde 2017

Há 3 horas

Como a Coreia do Sul está tentando 'copiar' o recorde das ações japonesas
seloMercados

Como a Coreia do Sul está tentando 'copiar' o recorde das ações japonesas

Há 4 horas

Em momento de baixa nas ofertas públicas de ações nos EUA, 'IPO privado' aparece como opção
seloMercados

Em momento de baixa nas ofertas públicas de ações nos EUA, 'IPO privado' aparece como opção

Há 17 horas

Cenário está bem para uma Selic terminal mais para 9,5%, diz ex-diretor do BC
seloMercados

Cenário está bem para uma Selic terminal mais para 9,5%, diz ex-diretor do BC

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais