Mercados

B3 divulga a segunda prévia da carteira do IBovespa

A nova carteira do índice Bovespa vigorará entre o dia 4 de maio e 4 de setembro

IBOVESPA: o índice teve alta semanal de 11,71%. / REUTERS/Amanda Perobelli (Amanda Perobelli/Reuters/Reuters)

IBOVESPA: o índice teve alta semanal de 11,71%. / REUTERS/Amanda Perobelli (Amanda Perobelli/Reuters/Reuters)

Karla Mamona

Karla Mamona

Publicado em 16 de abril de 2020 às 16h35.

Última atualização em 16 de abril de 2020 às 16h37.

A B3 divulgou, nesta quinta-feira,16, a segunda prévia da nova carteira do índice Bovespa (Ibovespa) que entrará em vigor no dia 4 de maio até o dia 4 de setembro. A prévia registra a entrada de CPFL Energia ON (CPFE3), Energisa UNT (ENGI11), Minerva ON (BEEF3), totalizando 76 ativos de 73 empresas. Nenhum ativo saiu da carteira. 

A composição da carteira do Ibovespa é esperada pelos investidores pois se trata do principal índice do mercado brasileiro. Assim, que ação entra na carteira do Ibovespa automaticamente ganha maior peso nas negociações. 

O rebalanceamento é feito de acordo com o volume negociado da ação e o valor de mercado da empresa, ou seja, a soma do valor de suas ações em circulação. 

Maior peso do Ibovespa 

Entre as empresas com maior peso no Ibovespa estão Vale ON (10,013%), Itaú Uenernibanco PN (7,808%), Bradesco PN (6,151%), B3 ON (5,549%) e Petrobras PN (5,214%).

Para efeitos de comparação, os ativos que apresentaram o maior peso na composição da carteira anterior do índice válida de 06 de janeiro de 2020 a 30 de abril de 2020 foram: Itaú Unibanco PN (8,573%), Vale ON (8,189%), Bradesco PN (6,985%), Petrobras PN (6,617%), e B3 ON (4,312%).

Acompanhe tudo sobre:B3CPFLEnergisaIbovespaMercado financeiroMinerva Foods

Mais de Mercados

Musk recebe sinal verde de acionistas da Tesla para remuneração bilionária

50 empresas que geraram mais valor aos acionistas; apenas uma é do Brasil

Vale prevê que vendas de minério e aglomerados ao Oriente Médio podem chegar a 67 milhões de t

Onde investir? Veja quem ganha e (quem perde) com a desvalorização do real

Mais na Exame